Há muito que eu poderia te dizer, há muito que eu queria te dizer na verdade, algumas dessas coisas não há necessidade, mas ainda sim eu queria te falar. Como eu costumava te falar “achei que você iria gostar de saber, beijo”. Não sei se um dia vou saber se você realmente gostava de saber, ou se não ligava; seja lá qual for a opção, já não importa mais. Perdi a cabeça com você, você tinha esse poder de me afetar mais do que qualquer outro homem, e pra ser sincera, eu sequer sei o motivo. De fato, você tinha essa capacidade de mexer com cada parte de mim, e isso me assustava, eu não sabia o que fazer com isso. Não sabia como olhar pra você, não sabia quem era você, não sabia por qual motivo eu não conseguia esquecer você, não sabia o que fazer com tudo o que eu comecei a sentir, não sabia o que fazer comigo quando me vi apaixonada por você. Foi paixão. Até hoje, e provavelmente por muito mais tempo, lembro de quando nos conhecemos, e do que eu pensei enquanto conversava contigo em meio a música e as conversas. “Não acredito que acabei de conhecer um homem assim”, logo eu que nunca mais havia conhecido ninguém, que nunca mais havia me interessado ou sentido algo forte. E você me fez sentir tudo isso, só que mais forte. Nossa ligação foi forte pois foi através da música, nos conectávamos através do som dos instrumentos, era natural. Eu perdi a cabeça com você, e não há mais volta. Vou mentir se disser que não sinto nada por você ou que não penso mais em você, e a intenção desse texto é, justamente, desabafar. Não sei como escrever um final para esse texto, pois escrever um final seria como finalizar até as minhas esperanças contigo, mas preciso. Não foi bom conhecer você, foi melhor. Você quis finalizar, então já está na hora de deixar você ir embora de mim também.

P.S.: lembra quando nos conhecemos? Eu estava indo ao banheiro e você estava na passagem, então eu te cutuquei de leve e você virou para mim, com um sorriso de lado charmoso e que me fez pensar: “uau”. E eu, que não costumo sorrir pra qualquer um, sorri pra você.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.