Rock it, baby ou Obrigado pela lição, amigos

Eu senti que com tudo aquilo eu já podia chorar. Ele deixou um pouco de tristeza em mim, desabafando sobre o término. Mas foi uma tristeza boa, sabe? Daquelas que vem carregadas de nostalgia, de saudosismo, e de muito amor acumulado.

To respirando fundo até agora, e posso sentir o cheior de toda a felicidade que eles dois viveram. Eu pude ver os olhos dele cheios de lágrimas, agora cristalizadas, enquanto os dela provavelente se sentem assim, mas não contam pra ninguém, nem um para o outro, provavelmente. É só um palpite.

Talvez esses olhos precisem deixar a felicidade do que já foi transbordar.

Ainda sobre os olhos, os olhos dele, dessa vez, que me fizeram conectar-me com toda aquela carga de emoção de um pisciano, também serviram para me levar até as lembranças de quando eu pude vivenciar um pouco do amor dos dois. Aquele momento em que você é a terceira pessoa do singular. E que você sabe disso. Mas tem gente protagonizando uma história de amor linda na tua frente, e não tem como se incomodar com isso. Só tem como ser feliz também! E talvez sentir aquela inveja branca, que eu acho que exista, porque eu senti! já que - obviamente - a ideia não era roubar nada de ninguém. A ideia mesmo era tentar fazer parecido, e do meu jeito. Fazer com que alguém pudesse me completar tão bem como aconteceu com eles. (não que isso possa ser controlado, mas esse tipo de bobagem de gente controladora passa pela cabeça mesmo.) E queria que alguém pudesse fazer isso, mesmo que tivesse o seu fim.

Porque foi um ano e seis meses.

Porque, mesmo não estando tão de perto, foi lindo sempre que vi.

E porque acabou de forma madura, consciente e tranquila, na medida do possível. Na medida do humano. O humano sinônimo de “em evolução”.

Por fim, a moral da história é espalhar que existe amor de verdade, mesmo. 
Já podem gritar aos quatro ventos junto comigo!

Eu vi! Existe amor de verdade! E ele pode durar pra sempre, mesmo que de outra forma. mesmo que deixe de ser eros e passe a ser filia.

Obrigado pela lição, meus amigos.

Mais textos no contenosdedos.tumblr.com