Verdade é poder:

A verdade é feminina. Não é estranho que os filósofos, tão interessados na verdade, não entendam muito de mulheres? Com esta pergunta inicia Nietzsche seu ataque a filosofia, sobretudo a noção de verdade. Eu pergunto: não seria estranho que o psicólogo, tão interessado em viver absolutamente, não estivesse também interessado em crer de modo absoluto? Ao que me parece, o homem mais interessado em exercer a vontade sem nenhum fim, o homem da expansividade mestra, acabou por descobrir sozinho a fórmula da morbidez humana. Não estava ele interessado em viver intensamente? Pergunto-me: como o tolo pensava em viver sem fins, como um animal na relva, como um inseto, sendo que queria chegar ao ápice de sua força? Decerto entendeu de tudo, de tudo que movimenta os néscios e os sem vontade, mas não entendeu do objeto que desejava abarcar. O psicólogo pouco sabia da existência humana, e embora a amasse , estava destinando todos que o seguissem para a morte, talvez julgando-se superior, talvez apenas com as ironias típicas de sua pena, mas, de qualquer jeito, destinando qualquer um que resolvesse seguir seus conselhos para a mais absoluta morbidez…

Eu o perguntaria: nunca vi filósofos compreenderem mulheres, mas você já viu um mártir morrer por uma conveniência? Já viu um guerreiro lutar por um mero interesse subjetivo? Já viu um ideólogo defender uma mera racionalização de uma vontade de poder? Eu pessoalmente nunca vi ninguém morrer pela mentira, muito menos pelo consenso de uma maioria que não fosse a sua. Nunca vi ninguém dizer basta para quem afronta nenhum desejo que não fosse os seus. Nunca vi cientista defender teoria que não fosse a que ele considera verdadeira. Nunca vi líder mandar milhares para os campos de batalha se não fosse pensando nos milhares de fracos que deixou para trás. Todos agem por uma verdade, não por uma convenção. Por um ideal, não por um pretexto. Por justiça, não por poder.

Os que vi agir como você gostaria, estão mortos. Mortos não têm interesse. Mortos não tem verdade , não tem fé, não tem credo ou ideologia alguma. Mortos estão completamente parados, por isso em nada acreditam que não seja em si mesmos. Mortos não querem transformar o mundo. Mortos não querem salvar almas. Por isso que se diz que são mortos, pois sem a verdade, a vontade de potência não sairia da cama, no máximo se trancaria em casa, com síndrome de solipsismo…

Like what you read? Give Eric a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.