Fronteiras

Você me descobriu em um desses meus dias de mau humor matinal, mais precisamente numa manhã de março. É, foi aquele o mês mais insistente em se prolongar um tanto a mais, e com a total pretensão de jamais ser esquecido, se fez valer até o último segundo para se transformar em incrível. Ainda me lembro bem da tua luz afastando toda a escuridão da noite e das tuas cores trazendo vida aos dias nublados. Daquele dia em diante, fui incapaz de piscar os olhos e correr o risco de perder qualquer detalhe vindo de você. Eu acho que ainda não estava preparado quando você chegou, e de uma maneira que nem sei explicar, senti o terremoto em forma de sentimentos tomarem conta de mim, e mesmo na pressa e no desespero de sentir e demonstrar, o conjunto e o meu desastre não assustaram você. É como se, de alguma forma, você já estivesse, e muito bem, preparada para compreender todos os meus demônios. E você aprendeu a enumerar todas as minhas manias, mesmo aquelas das quais insisto em carregar entre as esferas de nossa vida. Você conhece cada um dos meus detalhes e poderia até mesmo criar um manual detalhando cada ponto traçado em mim, do mesmo jeito que conheço seus detalhes, e embora não seja tão bom detalhista assim, eu poderia fazer um manual sobre você, porque te conheço de A até Z. Você sabe que posso escrever os meus melhores poemas a partir de você, do teu sorriso, dos teus olhos. Você é como meus versos não escritos, que guardo só pra mim por puro e mero ciúmes. Você é a melhor parte de mim. Eu, por outro lado, sou imperfeito, aflito e desfocado, me pego tentando recontar os dias que somamos juntos, as datas importantes, as memórias acumuladas, as pequenas vitórias conquistadas, como se a cada remexer em nosso museu de vagas lembranças passássemos a ter a capacidade de definir novos pontos essenciais para justificar o nosso amor. Para mim menina você já foi tantos sonhos, cobiças, planos, flores e frutos, que já nem sei mais em qual dos livros antigos realmente te encontrei. Trago comigo a breve suspeita de que você já fazia parte de minha vida antes mesmo daquilo que realmente julgo ser a data na qual a conheci. Mas você bem sabe, nós sabemos bem que nos conhecemos em meio a um vendaval de sentimentos, e quem diria que o livro que dita o nosso encontro seria o mais bonito romance escrito numa noite de verão. Mesmo nos dias de hoje não consigo compreender a relação que existe entre você e as estações do ano, e preciso confessar que por vezes desconfiei da sua natureza, mas conclui que em tantas outras vidas, você talvez tenha sido o Sol. Isso seria capaz de justificar essa sua mania de iluminar meu caminho em meio à escuridão. Menina, eu quero viver a tal imortalidade que os loucos dizem somente contigo, escrever as linhas tortas da minha vida nas bonitas linhas da sua vida, sem pressa, sem medo, sem retificações. Unir em uma única história todos os meus planos com as tuas realizações. O mundo já sabe que você tem o poder de me redescobrir quando me sinto perdido. É você e esse teu dom de conseguir transformar o caos em poesia. Eu demorei pouco mais de vinte anos para esbarrar em você, e peço desculpas pela demora, precisei dar muitas voltas até descobrir que você era exatamente tudo aquilo que eu sempre procurei. Foi uma longa e difícil jornada. Cheguei até mesmo a pensar que não resistiria, mas bastou você chegar para que todas as coisas ruins desaparecessem, como se nada antes de você tivesse tido qualquer importância ou força. Você é quem me protege, me guia e me guarda. Todas as minhas vitórias tem um toque teu. E embora eu tenha precisado viver tanto tempo sem você comigo, empilhando palavras que nunca foram ditas ou escritas por não possuírem destinatário, amargando dissabores de amores que nem sequer eram amores, hoje sei, que cada um dos detalhes vividos sem você serviram de pontes pra que eu chegasse até aqui. Hoje não mais duvido de que você compõe os meus sonhos, pois faz moradia em todos eles. Hoje eu sei que alguns detalhes são meros detalhes e mais nada, que pro nosso amor tudo se mistura e se funde. Temos a mania incontrolável de permanecer um ao lado do outro. Até confundo a minha risada com a tua, e fica entre nós, eu a amo ainda mais quando a tua risada se mistura com a minha. Menina, no fundo somos um só: você se encontra em mim assim como resido em você. Agora por fim não estou mais sozinho, nem sequer tenho o mesmo medo do mundo. E quando sua voz invade meus ouvidos, é o sopro de vida em sua forma mais pura e simples — é você rompendo as fronteiras em mim. A cada momento você me reinventa, o teu amor realinha e equilibra tudo aqui, menina.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.