Infiltração.

Tudo aqui tem um pouquinho de você. Dá pra acreditar? E eu juro que às vezes sinto como se não estivéssemos longe um do outro. É que hora ou outra, acabo sentindo a sua presença aqui. E não é de hoje que eu te sinto aqui, assim como também não é de hoje que eu de vez em quando me pego andando nas ruas e pensando no quanto seria bom esbarrar contigo e com esse teu sorriso que me desmonta na próxima esquina, assim, só por um acaso do destino mesmo. É menina, tenho andado por aí na esperança de cruzar meus passos com os teus.
É moça bonita, você derrubou todas as barreiras do muro de Berlim que eu havia construído aqui, você adentrou minhas barreiras como infiltração que chega mansa e quando se dá conta já comprometeu toda a estrutura. É, foi assim que você chegou, sorrateira, como quem nada quer, mas quando fui cair na real, tudo que eu tinha era pra você e por você. Tudo é tão melhor desde que você chegou que eu nem me lembro mais de como eram as coisas antes de você aqui. Eu não sei dizer ao certo se tudo era muito ajeitado e eu tava mesmo precisando da tua bagunça em mim, ou se a realidade era que tudo tava muito bagunçado e no fundo o que eu precisava era da calmaria que você me transmite, do sossego que eu encontrei no teu cais pra ancorar o meu caos. De qualquer forma agora eu sei que todo o tempo estive procurando nas pessoas erradas aquilo que só encontrei em você. Por isso agradeço, não só hoje, mas todos os dias da minha vida que nossos caminhos tenham se cruzado, agradeço que nossa história esteja sendo escrita com bilateralidade, ainda que seja escrita em linhas tortas. Agradeço, pois foi em ti que eu encontrei um motivo, um caminho e lugar pra descansar o meu amor.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.