Depois do Futuro ou a Ideologia do Presente | Aula 2 | com Daniela Labra

EAV Parque Lage, Rio, 29 de Setembro de 2015

Palavras-chave citadas durante a aula:

paraísos artificiais / nativos digitais / música eletrônica / triunfo da modernidade / referências de urbanização / avanços tecnológicos / modernismo neo-liberal / cultura do consumo / estética tecnológica / crença no autômato unida ao patriotismo / progresso / ciência / social / feiras mundiais / novas estruturas /novas técnicas /novos materiais / uniesphere / l’exposition mondiale / representação do globo com a Europa no centro substituída pelo globo com a América do Norte e Sul no centro / imperialismo / modernidade líquida / modernidade fluida / declínio da visão moderna / pós-modernismo / releitura do modernismo / vanguardas / ordem internacional cultural / quem é o outro cultural? / quem é o seu eu cultural? / quem é o você cultural? / o outro / arte francesa / arte alemã / arte brasileira / homogeneização da arte / presentismo / movimentos / comunidades / on-line / tecnologia de ponta / lavoura arcaica / modernismo global / desníveis sociais e estrutural / iluminismo / pensamento moderno / pensamento racionalista / heranças pós-coloniais / favelas / culinárias / crenças / produção cultural das periferias / situação planetária / futuro estancado no presente / estátua da liberdade da vila kennedy / internacionalização da arte brasileira / dócil, logo dominado / arte política / tráfico de drogas / Teresa Margolles / desterritorialização


Referências citadas durante a aula:

Milton Santos,Viveiro de Castro, Gilberto Freire, Geraldo de Barros, Darcy Ribeiro, Hélio e Lígia, Teresa Margolles


Estátua da Liberdade ( Da Vila Kennedy/RJ)
Unisphere Monument — NY Wod’s fair 1964 — EUA
Teresa Margolles — El Testigo

BUSCAS PÓS-AULA:

As artes plásticas diante do fenômeno das drogas

Em termos de reconhecimento internacional e presença nos circuitos de arte global, destaca-se o trabalho da artista conceitual Teresa Margolles, de Sinaloa, que passou três décadas explorando a morte, o sepultamento e os restos mortais. Nos últimos anos, com o aumento da violência das drogas, a exploração da morte ganhou uma dimensão adicional. Sua instalação “21 acertos de contas”, por exemplo, consiste em uma mostra de 21 jóias criadas ao estilo barroco preferido pelos traficantes, no qual incorporafound objects, pedaços de vidro ou balas coletadas de lugares onde foram achados os corpos dos traficantes executados.
Em sua exposição intitulada De que mais poderíamos falar?, com a qual representou seu país na Bienal de Veneza, em 2009, a artista escolheu cobertores manchados de sangue dos mortos pela narco-violência como um emblema do México contemporâneo, e distribui aos visitantes cartões plastificados, intitulados Cartão para separar cocaína, que mostram a imagem em close do rosto machucado de um dos mortos. O rosto inchado de um cadáver, o espetáculo do sangue e o clima sombrio do espaço da exposição perturbam a sensibilidade dos visitantes, obrigando-os a reconhecer a existência de uma relação intrínseca entre o prazer dos consumidores de drogas ilícitas — localizados principalmente nos países desenvolvidos, em especial nos Estados Unidos — e a violência que abala o México.
Atenção! O texto acima não foi parte da aula, tendo sido apresentado originalmente apenas o vídeo da Bienal de Veneza de 2009. Texto extraído do artigo: The drugs scenario in Mexico: from the outskirts of society to mainstream culture. de Diana Palaversich Universidade de Nova Gales do Sul, Sidney na Austrália. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-45222013000300003

Leituras Recomendadas

1- Espectador Emancipado de Ranciére

  • Paradoxos da Arte Política

2- Cultura do Passado e Presente de Andreas Hyussen

  • Nostalgia das Ruínas

Sobre do Curso

Para a EAV Parque Lage foi proposta uma plataforma de investigação abrangente que toca em temas de ordem poética, estética, metodológica, política, histórica e social, entre outros. Assim, a programação de Depois do Futuro reuniu acadêmicos, ativistas, artistas e livres ­pensadores para refletirem com os alunos e a comunidade artística processos e metodologias de criação, educação e circulação da arte, bem como diversas questões relevantes à sociedade que atingem a própria idéia de extinção e preservação de nossa espécie em corpo, alma e herança cultural.

Professora: Daniela Labra

Site do Projeto: depoisdofuturo.com.br

Site da Escola: eavparquelage.rj.gov.br


EAV — Parque Lage , Rio de Janeiro