A vingança dos barbudos gourmet

BARBUDOS, barbudos por todo lado. Para onde quer que se olhe, há um ser humano do (cambaleante) sexo masculino portando uma questionabilíssima barba. Está na moda. Diante disso, um amigo blasé me aconselharia a encarar o fenômeno como mero produto da moda, portanto algo passageiro. Sim, a moda é assim. Essa onda passará também, cedo ou tarde.

Observo que há uma recente indústria em torno das barbas gourmet, como foi na década passada a onda das pet-shops. Ser barbudo não se trata mais de desleixo, de deixar os pêlos tomarem a cara e não fazer nada a respeito, muito pelo contrário. Proliferam-se os salões para barbudos com hidratantes para barbudos e apetrechos para barbudos. E visual apropriado para barbudos: muito couro curtido, ferragens em ouro velho, tecidos estonados de algodão cru, camisas flaneladas. Uma coisa meio lenhador urbano importada dos EUA. Rapazes saudosos de uma tradição nunca vivida mas aprendida na internet cultivam suas barbas por aí, e as tratam como se tivessem vida própria: levam-na para passear, é o novo pet. “E daí, há algo de errado nisso?” Não, nadinha. Mas não significa que esteja tudo muito certo.

A atual síndrome barbuda é uma espécie de vingança tácita do homem, este ser atualmente perdido na civilização. Provavelmente seja uma das últimas coisas que lhe restaram do ser macho pra valer, do algo que só homem pode fazer: porque sabemos o quanto no mundo atual é proibido haver alguma coisa só de homem, sem parecer viadagem ou machismo. Então, as barbas gourmet surgem como um ato de resistência. É uma resposta urgente à feminilização compulsória: para tornar o mundo mais amigável às mulheres (ué, não era?) todos devem ser um pouco mulher, deixar-se feminilizar, de alguma forma.

A atual síndrome barbuda é uma espécie de vingança tácita do homem, este ser atualmente perdido na civilização

Esqueçam a propaganda ideológica: quem vive oprimido, de verdade, é o homem. Como aliás sempre foi. Quem morre mais? E a figura masculina apanha dia e noite porque ainda, repito, ainda não se tornou propriedade estatal, como a feminina. A mulher, concorde ou não, já é propriedade do consórcio Esquerdismo-ONU-ONGs-Universidades-Estado-Mídia (doravante chamado apenas de consórcio). Só que a pobrezinha não percebeu, a coisa toda foi muito sutil. Esse tal consórcio, mediante pressão exercida por instituições tentaculares e constante martelamento midiático, apoderou-se das mulheres e visa apartá-las dos homens, bani-las da presença masculina, isso de um lado; por outro lado, tenta desconstruir, desvirilizar o macho, pouco a pouco, a fim de apoderar-se dele também e instrumentalizá-lo algum dia.

O homem, porém, resiste como pode. Mas vive muito mal, nos dias que correm. É cachorro sem dono, pode chutar que ninguém liga. É um lutador escorraçado no ringue, com a cara repleta de hematomas, que se segura nas cordas recusando-se a cair. Agora que seria a hora ideal para finalmente desfrutar de tudo quanto seus antepassados deram sangue, músculos e cérebros para conquistar, ele vê as mulheres sorrateiramente pegarem tudo para elas. Ou melhor: vê o consórcio supracitado a desapropriá-los, desautorizá-los, e entregarem tudo às mulheres, ainda que elas nem peçam ou façam questão. É uma operação mefistofélica.

Elas no entanto não reclamam, entorpecidas pela lisonja fácil da ideologia — sempre de esquerda, declaradamente ou não — além de, por natureza, adorar ser cortejadas. Por séculos, as mulheres viram os homens matar e morrer nas guerras, inventar a civilização, descobrir a luz elétrica e seus confortos, desenvolver ciência e tecnologia, presenteá-las com a indústria da estética e da cosmética: depois que tudo ficou absolutamente simples, organizado, acessível, quando finalmente braços fortes deixaram de ser necessários — uma vez que para tudo basta apertar botões ou deslizar dedinhos numa tela — disseram que elas são as novas donas do mundo, elas gostaram da idéia e ai de quem der um pio contra.

Claro, diriam, “elas sempre dominaram o mundo, tolinho: a mão que balança o berço é a mão que domina o mundo”. Sim, é verdade, mas havia um equilíbrio, uma mínima cooperação mútua, não? Meu ponto é que, atualmente, o consórcio entra na parada, sequestra as mulheres e usam-nas de porrete contra os homens. É como se, na cama do casal, entre o homem e a mulher deitasse um rinoceronte. O rinoceronte é o consórcio.

Mas voltemos aos barbudos. A barba então foi o que sobrou de exclusivamente masculino para os caras. Embora, em avançado estado de desvirilização, eles se meteram em certas feminices, como cozinhar, também. De avental e tudo. Vide a concomitante onda dos chefs: então, os lenhadores de hoje cozinham, ao invés de rachar lenha.

Contudo, algo me ocorre: a barba, ainda que gourmet, pode ser um contra-ataque masculino para recuperar o território perdido. É possível. De maneira que o barbudo-gourmetizado moderno, mesmo frequentando salões de beleza “pra macho” e mesmo cozinhando de avental entre outras feminices, ainda pode nos dar uma pontinha de esperança.

Por que esperança? Porque a continuar assim, quem sabe se elas, enciumadas, retornem aos salões de beleza, redescobrindo o prazer de uma boa fofoca. Ou, incomodadas com a concorrência masculina, voltem a cozinhar, felizes e cantarolando. Ou larguem a mão “dessa porcaria de futebol”, atirando na cara dos homens o que diziam outrora, “são vinte e dois bobos correndo atrás duma bola”.

Pois continuem, rapazes de barba gourmet hidratada, continuem. Eu, eterno imberbe, pobre vítima das maciças propagandas da Gillette nos anos 80 e 90, só posso desejar-lhes sorte: em breve, poderemos ter nossas mulheres de volta. Te cuida, infame consórcio! Te cuida, ideologia picareta!


Originalmente publicado em desmodernismo.blogspot.com em 26/07/ 2017.