Tempo.

Estamos de passagem, sim.
Mas passamos para encontrar um pouco, 
deixar um pouco e levar um pouco.
Um pouco do brilho, um pouco do nada, um pouco do todo.

Estamos de passagem, sim.
Mas não podemos dar passos para trás.
A terra que piso hoje, não sera a mesma quando eu tirar meus pés do chão.
E, assim também, eu não serei mais.

Estamos de passagem, sim.
Mas algumas coisas simplesmente ficam e outras jamais ficarão de mim.
A terra que piso hoje é meu porto, a que piso amanhã é meu mar.
E, assim, jamais haverá porto onde poderei ancorar.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.