Amor Próprio

As coisas por aqui têm sido engraçadas sem você. São dias que enlouqueço só de pensar em tudo o que poderia ter sido, de tudo o que foi e de tudo o que estamos vivendo agora.

Agora, eu já não digo que somos um, apenas sei que somos partes… Partes quebradas de uma peça que já foi muito bonita. Partes de um mundo em comum, de uma vida detalhadamente planejada.

Então, algumas coisas estão diferentes em mim. Eu já aceito bem melhor a tal da solidão, o convívio com pessoas que não temos vínculo em comum. Já me sinto à vontade para te olhar nos olhos e controlar meus sentimentos, sejam eles de mágoa, rancor ou amor.

Estou vivendo um dia de cada vez e só por hoje posso dizer que nada é em vão. Só por hoje eu acredito que posso me abster de tudo o que passamos juntos, de tudo o que nos fez chegar até aqui.

Parecia tão complicado no começo, a dificuldade da mudança, o aprendizado contínuo, o tal do amadurecimento. Pois é, cresci um pouco mais em todo esse tempo, em toda essa rotina que já não te pertence mais.

Não que eu não sinta nada por você, não me leve a mal, eu só comecei a me dar valor, só entendi que preciso, antes de tudo, me amar. Consegui compreender que, de todos os fatos de uma vida a dois, os dois precisam ceder, os dois precisam se autoconhecer, os dois precisam se doar e doar amor, carinho e bem-estar para a relação.

Eu não sei dizer sobre você, mas acredite, as minhas esperanças estão centradas em mim, na minha fé e naqueles que dependem de mim. O que eu poderia transmitir para você agora é autoconfiança, para que possa acreditar que mudanças são possíveis e necessárias. É aquele tal de amor-próprio que todo mundo sempre fala, mas que poucas pessoas compreendem.

Eu posso até continuar a amar você, mas antes de qualquer declaração, vou me concentrar em amar cada parte do que sou.

E obrigada. Por ter me dado a oportunidade de me refazer, me conhecer, de perceber o quanto sou capaz de me amar. De aprender a viver bem comigo mesma, um dia de cada vez.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.