Porque a direita deveria “comemorar” o ministério de Lula

A política é um jogo de xadrez

Nesse momento, todos os brasileiros já tomaram conhecimento que Lula vai assumir a pasta da Casa Civil. A justificativa apresentada por partidários vem em duas partes. A primeira tem a ver com a reestruturação (necessária) do governo em meio ao desastroso segundo mandato de Dilma. A segunda razão, e mais importante, tem a ver com a Lava Jato. Era necessário que Lula obtivesse foro privilegiado para que seu caso pudesse ser levado para o STF, e sair assim das mãos do temido Sérgio Moro. O problema de Moro, de acordo com partidários, é que este havia demonstrado falta de imparcialidade, fato exemplificado tanto pela condução coercitiva quanto pelo sofrível documento de prisão preventiva emitido contra o ex-presidente. Desse modo, o foro privilegiado concederia a Lula um julgamento mais justo e mais completo.

Porém, eu vejo essa justificativa e me parece tudo muito bonitinho. Logo, eu sou forçada a lembrar que a política é tudo menos bonitinha. Esse movimento é, acima de tudo, estratégico. Porém, o tiro pode muito bem sair pela culatra. Os petistas estão aqui assumindo um risco enorme, que coloca em jogo a existência e resistência do próprio Partido dos Trabalhadores.

Mas é porque a política é um jogo de xadrez. Se o seu adversário já jogou, agora é a sua vez. E o adversário jogou muito bem. A demonização midiática feita com a imagem de Lula serviu a interesses pessoais dos partidos de oposição. Como mencionei em um texto passado, a criação e desenvolvimento de uma campanha de demonização do PT e mais especificamente das figuras de Lula e Dilma foi uma jogada de mestre por parte da oposição. Muita gente ainda não se deu conta disso exatamente porque serviu de instrumento para que isso acontecesse.

Essa “jogada midiática” não foi espontânea, e é bom deixar isso claro. Não é que atualmente no Brasil simplesmente só existam acusações contra petistas. Não é nem o caso de que existam realmente mais acusações contra petistas do que contra outros partidos. Muito menos é o caso que a corrupção do Brasil se restrinja somente a um partido (bem queria eu que assim fosse). O que acontece é que a mídia resolveu, deliberadamente, cobrir com mais profundidade somente as acusações ligadas àquele partido. Isso é ao mesmo tempo brilhante e terrível. Brilhante como estratégia de guerra (ou de xadrez) mas terrível em suas consequências reais para a democracia brasileira. Está aí o 13 de Março para provar que qualquer ideia trabalhada coletivamente pode levar à comoção popular, independente de ser baseada em toda a verdade ou não.

É a mesma força que cria e alimenta a máxima que agora está em moda de que “Lula é o maior ladrão de toda história do país”. Um “fato” que não é nem de longe verdade. Recomendo a quem gosta de espalhar mais esse bordão, que estude a história do país e veja que o mesmo vem sendo comandado por ladrões desde sua criação. Lula é somente mais um deles. A diferença é que Lula quis dar uma de Robin Hood e isso deixou muita gente puta, porque colocou neles, a partir daquele momento, a mesma obrigação. Todas as pessoas que governarem a partir de agora, vão ter que utilizar parte do dinheiro que rola solto pelas diversas camadas de governo e legislação para ajudar as classes mais pobres. Todo presidente, a partir de Lula, vai ter que prestar atenção em bolsa-família, em Minha Casa Minha Vida, Pronatec, etc, etc, etc. Só que isso não estava nos planos de ninguém né. Poxa, agora a gente tem mais essa pra se preocupar.

Também não deve ter sido legal para os partidos que costumavam governar sempre e ter o próprio Lula como oposição veemente, assisti-lo chegar ao poder. Pior ainda quando viram que, aquele homem tão “moralista” estava ali pelo mesmo motivo que eles: para ganhar. Porque eu não me iludo nessas histórias todas de bondade não, sabe. Admiro muito Lula, mas político nenhum me vende história de bondade. Porque agora que está cada um por si, o movimento feito pelo governo é exatamente o de salvar a própria pele.

Então eu entendo de onde vem essa atitude, e sei porque ela foi tomada, mas ainda não me desce. Porque muito embora nossas jogadas tenham que ser em parte pensadas como resposta às jogadas do adversário, elas também precisam refletir o nosso próprio objetivo e conhecimento. E o que essa jogada está demonstrando dos petistas, é que eles querem tirar o deles da reta. Eles estão se comportando exatamente como os jogadores que tanto criticam, e isso não faz o mínimo sentido. Muito embora a justificativa oferecida por eles seja válida, eu vejo como MUITO estranho que de repente uma pessoa investigada da justiça ganhe o cargo de ministro da Casa Civil. Mas talvez não seja tão estranho assim, já que vivemos em um país onde um réu por corrupção é ainda presidente da Câmara.

O problema é que nada disso é novo na política brasileira. Essa competição só por competir, essa rede de arrumadinhos e desculpas, essa falta de conexão com os eleitores. A gente só vê isso como novo porque a gente só passou a enxergar isso agora. A política anda muito escancarada, e ninguém está gostando do que vê. Seria ingênuo dizer que o Brasil nunca esteve submergido nesse nível de corrupção. Quando ouço esses argumentos, eu já nem discuto mais. Porque isso tem a ver também com o que eu disse sobre mídia no começo. De repente a mídia anda bem interessada em política. E por de repente, diga-se desde a última campanha presidencial. Então a gente, que vive em função da mídia, também só se deu conta dessas coisas há pouco tempo. Mas como eu disse, a mídia faz questão de se aprofundar em somente um lado do debate, e isso tem consequencias para a estabilidade da nossa democracia como um todo.

Mas deixemos o assunto de mídia de lado por ora, ele merece um texto inteiro para ser discutido. Voltemos à manobra política encabeçada pelo PT já dizendo que foi um tiro às cegas. Porque esse tipo de manobra já não cola hoje em dia. As pessoas estão demandando saber porque, e é nisso que está a força da oposição. O PT se cobriu de carne e se jogou na jaula dos leões. Deu material suficiente para que a mídia cause um verdadeiro massacre de sua imagem. Utilizaram-se de uma manobra descarada, o que causou com que perdesse o apoio de MUITOS esquerdistas independentes. E isso é muito importante, porque foi com a ajuda desses esquerdistas-não-petistas que Dilma foi eleita.

O afastamento desses grupos já era evidente desde o começo do segundo mandato, devido ao já comentado “policy switch” da presidente. Os laços entre a esquerda que ajudou a eleger Dilma e o governo já andavam enfraquecidos. Esse último acontecimento justifica um rompimento geral. Isso sem mencionar os eleitores centralistas, que podem tender a qualquer partido. Agora, Lula e Dilma contam com o apoio somente da militância petista, e isso pode ser desastrosos para eles e para o partido.

A menos que o ministro Lula opere um verdadeiro milagre no governo brasileiro, essa medida foi um tiro no pé. Porque no rumo que as coisas iam, a prisão de Lula poderia até servir em seu benefício. Lula preso seria um mártir esquerdista. As pessoas iam pintar-lhe de Nelson Mandela, de Hugo Chavez. Isso seria uma estratégia de marketing maravilhosa pros petistas. Porém, ao invés de entregar as peças e levantar as mão pro alto, os petistas resolveram definitivamente entrar no jogo. Fizeram a jogada e aguardam as consequências.

Agora, aqueles que poderiam ajudar na estratégia Lula-mártir são as pessoas que imediatamente viraram as costas ao ex-presidente. E com razão. A idéia de um governo de esquerda utópico ainda é o sonho de todo esquerdista convicto (eu inclusa, infelizmente). Como sabem a diferença entre utopia e realidade, se conformam com muito pouco. Mas para tudo existe um limite. Se for para ter uma “esquerda” que joga o mesmo jogo que sempre foi jogado pela direita, é melhor que ela não esteja lá. Porque na verdade isso meio que “suja” a imagem da esquerda, além de ir contra todos os seus princípios. Com essa única jogada, eles perderam uma grande parte de sua base aliada popular e isso pode custar a Lula a eleição de 2018.

E isso é um motivo para a direita comemorar. Foi como se o seu inimigo tivesse roubado sua arma e atirado nele próprio pra você. O ministério de Lula foi um presente à direita brasileira, que pode agora condená-lo com mais propriedade. Foi um presente porque se a eleições tivessem sido hoje, Dilma jamais teria a maioria dos votos. Então a direita competitiva tem motivo para estar em festa. A menos que algum outro candidato de nome apareça para a esquerda brasileira, ou a menos que Lula cause um milagre no governo atual, nosso próximo governo provavelmente será de direita.

Porém, para os direitistas não competitivos, para os esquerdistas independentes e para os apartidários não há motivo algum de comemoração. O que anda acontecendo na política brasileira não deveria ser motivo de alegria para ninguém. A representação simbólica do que acabou de acontecer não deve ser ignorada de maneira alguma. Estamos entrando em tempos sombrios onde tudo vale. Não consigo imaginar nem uma sucessão presidencial porque TODOS os presidenciáveis (de acordo com a linha sucessória) estão sendo investigados ou já são réus por corrupção (!!!). E onde ficam as pessoas? Onde ficam até mesmo os próprios programas sociais, carros-chefe dos governos petistas? Porque no final das contas está tudo paralisado, está tudo virado ao avesso, nada sai do lugar. A gente tá vivenciando uma inércia poderosa e perigosa. Cada um tentando livrar o seu, arruma dali, atrasa daqui, esquece acolá. Que coisa terrível é refletir sobre tudo isso. É um labirinto repleto de monstros, para qualquer um dos lados. E o povo fica onde? Vamos esperar que o tempo responda.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.