O sobrepeso, a dieta e a depressão

Nunca fui magra.Tenho facilidade pra ganhar peso e uma estoica aversão a alimentos tidos como saudáveis, mas pouco prazerosos. A falta de disciplina, aliada a esse metabolismo lento sempre me fizeram oscilar na balança, e isso sempre foi um problema pra mim.

Tive minha década das loucuras, de “regimes” totalmente radicais a remédios que alteravam meu comportamento. Esse não é mais o caso, emagreço mais devagar, como sugerem os médicos e prezo pela saúde, o problema é que não tá dando mais pra negar que fazer dieta me faz mal. Eu fico sempre muito deprimida. Não tenho vontade de socializar (evito qualquer contato com outras pessoas mesmo dentro de casa) e deixo meus projetos pessoais meio largados.

Já tentei me aceitar mais gordinha (e cheguei a meu peso máximo na época — 94 quilos distribuídos em 1,59 de altura). E além do problema de não mais me reconhecer no espelho, comecei a ficar ofegante facilmente e ter problemas pra dormir. Além do julgamento das outras pessoas, enfrentei meu próprio julgamento e decidi na época que aquele papo de gorda e feliz também não era pra mim.

Desde então foram 2 anos de dieta, 34 quilos a menos e uma abdominoplastia. Três meses de repouso, mais uns três cheia de receios em voltar pra academia e mais oscilação de peso. Me sinto meio um caso perdido,fadada a passar por ciclos tortuosos o resto da vida, escolhendo qual será o meu veneno.

Estou em dieta a cinco dias e no ápice do “Queria estar morta”. Sei que virão dias melhores, mais ainda me questiono por que faço isso e sonho com um dia em que tudo bem estar gordinha com um belo pote de sorvete no colo.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.