A carta que te escrevo todos os anos.

Olá... Cá estou eu de novo para te dizer que já lá vai o tempo em que acreditava que um dia isto ia mudar. Estou aqui de novo para te dizer que já não tenho medo de me esquecer da tua cara, que já tenho um namorado e um trabalho e em breve vou começar a “orientar-me” como tu tanto desejarias, se aqui estivesses.

Hoje o dia foi engraçado. Passei o dia a assar e a vender frangos. Assa-los, mete-los em sacos e vende-los. Cada vez que me pedem para escolher um frango como se fosse para mim, sei que és tu quem escolhe. A parte de ti, que existe em mim. Haverá homem que goste mais de frango assado do que tu? Ias ser o meu melhor cliente, de certeza. E eu seria a tua operadora de loja preferida, sem dúvida.

Fazes-me falta, caraças!

Sempre que este dia chega, parece que vivo tudo outra vez. As chamadas não atentidas, a falta de força nas pernas, a derradeira confirmação e o chão a sair de baixo dos meus pés. Flashes. O teu sorriso, as nossas mãos dadas, os passeios em dias de sol, o teu olhar, a tua voz. O meu nome dito por ti, uma gargalhada e “Esta moça é demais!” é assim que me lembro da tua voz. O mundo torna-se uma merda quando penso que te perdi. Foda-se!

Desculpa sei que não gostas de palavrões, mas a verdade é esta: dói-me todos os dias que não te tenho. E uma dor que dói todos os dias moi, chateia, entristece, apodrece qualquer um. Eu não sou exceção. Seria a tua, como sou a da Mãe, mas para o mundo, e neste aspeto, isso não vale grande coisa. Para mim até que vale. Acho que, por ser parte dos dois, tenho o poder de conseguir sobreviver a inúmeras guerras. Não sou inabalável mas cada vez que me derrubam eu volto a levantar-me. Acho que é isso que interessa, não?

Bem, vou ver se deixo a preguiça e vou tomar um banho, estou mesmo a precisar. Cheiro a frango e o dia foi longo. Se todos os dias sem ti já são longos, imagina este, que assina-la no calendário mais um ano sem ti.

Não te esqueças de mim, estejas onde estiveres, espero e quero que estejas comigo.

Até logo pai!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.