A democracia do sequestro racional.

Ilustração: Cezar Berje

Olá caro leitor, título curioso este não? Já parou para refletir a quanta informação você já foi exposto hoje? Certamente deve estar com seu cérebro fadigado é normal nós meros mortais do século XXI chegar no final do dia com uma pequena dor de cabeça, daquelas que não incomoda pois você já se acostumou. Nosso cérebro é a máquina mais completa e poderosa criada por Deus, porém ele possui um ponto fraco “Não fomos feitos para operar no modo multi-tasking” certamente você já ouviu a expressão “Melhor ser bom em uma única coisa do que ruim em várias” hoje mantermos o foco em várias coisas aleatórias a nossa volta pode desenvolver ansiedade e até mesmo a apavorante TDA ( transtorno e déficit de atenção).

Então qual a razão de nós consumirmos tanta parte do nosso tempo com muitas tarefas fúteis? A resposta é simples estamos na “Era do conhecimento” o que nos leva a um patamar enorme de informações, observe o paradoxo da internet.

  • O rádio demorou 40 anos para atingir 50 milhões usuários.
  • A televisão demorou uns 20 anos para alcançar 50 milhões de usuários.
  • Internet levou apenas 5 anos para ter 50 milhões de usuários.

os dados acima são calculados se baseando quando os aparatos se tornaram abertos ao público portanto os anos são uma média. A internet veio com sua força para levar informações em massa, em 2003 já continha 600 milhões e em 2007 esse número ultrapassou 1 bilhão de usuários. Temos uma visão clara agora de que estamos perto de 30 anos de conteúdo produzido na era da internet. O maior veiculo de comunicação do planeta, logo atrás a TV e o rádio ocupando o ultimo lugar. Mas a onde quero chegar explicando tudo isso? Você já deve ter notado alguma vez que as noticias globais são veiculadas primeiramente na internet, as nacionais na TV, as da Região ao redor de sua cidade no Rádio e por ultimo as locais nos jornais. O que estes veículos tem em comum? Isso mesmo a informação. Podemos assimilar o jornal com um famoso aplicativo de mensagens dos nossos Smartphones. As noticias locais chegam lá primeiro.

Se você refletir as Redes Sociais são grandes conglomerados de pessoas que pensam como você, o algoritmo detecta e te leva a pessoas que gosta dos mesmos filmes, musicas, hobbies e jogos que você? Até que ponto isto é benéfico ao ser humano? Nossos ancestrais se juntaram para criar as primeiras grandes civilizações podemos dizer que isso já natural do ser humano; socializar. Quando você conhece alguém que pensa da mesma forma é normal se tornarem amigos e logo começarem a fomentar a rede social afim de se tornarem amigos dos amigos de seu mais recente colega que luta pelos mesmos ideias que você, afinal os amigos dele devem pensar como ele certo?

Agora a coisa começa a ficar interessante, o Big Data surge a ponto de escolher as coisas que queremos ver. Sim somos primitivos a este nível e precisamos de alguém para tomar nossas decisões. A um certo ponto a isto é legal mas logo torna-se tedioso e você se torna um sedentário por conhecimento. Seu dia já é lotado de conteúdo que alguém já escolheu para você, ao abrir seu smartphone uma notificação de um vídeo, foto ou até mesmo um textão proclamando ódio ou amor, felicidade ou tristeza. Então em um momento súbito toma conta da tela com um anuncio sobre aquele produto que você estava procurando, mais uma vez repito até que ponto isto é benéfico ao ser humano? Lutamos por uma democracia digital? Alguém escolheu este conteúdo que eu acabei de ver, quem escolheu? É tão óbvio que estamos cegos de tanta informação, meus colegas, meus hábitos e até minha ultima pesquisa na internet colaboram para que o Algoritmo fizesse sua melhor escolha por mim.

O tema do Enem 2018 foi “Manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet” este tema me motivou bastante a escrever sobre o assunto dado que sou estudante de Big Data e que acabamos de passar por uma turbulenta eleição, a mídia provocou uma forma de criar os famosos macacos operários que fazem tudo sem pensar, sem investigar. foi assim com o Rádio onde uma voz geralmente calma e franzina conversa com você e logo tu estavas a pairar sobre os mesmos ideias do locutor, quando não você se via do lado contrario disseminando ódio e revolta sobre as palavras do locutor. Foi assim com a televisão onde a mídia insiste em te colocar medo, pânico e mostrar o lado violento do mundo (para ser mais preciso o de uma manifestação). E infelizmente é assim na Internet alguém pode produzir ou apenas compartilhar as famosas Fake News ,quantas pessoas já caíram nisso? ou melhor morreram por isso?

Lembro de um caso onde espalharam uma noticia de quem homem estuprou e matou uma criança aos arredores da cidade. soltaram a foto dele e a noticia tomou conta das redes sociais. E então algumas horas depois o pobre homem foi encontrado morto. Logo a policia não sabia explicar o caso, pois o homem não tinha nenhum envolvimento com aquele rumor… Então uma pessoa é presa assumindo que a noticia não se passava de uma brincadeira de má-fé.
A legenda da imagem é a seguinte : Trump voters probably believe it, too ( Autor: Tony Hymes )

A mídia provoca o caos na população, logo os consumidores de conteúdo aceitam tal fato sem se questionarem sobre aquilo que lhes foi dito. Até que ponto vai ter alguém olhando pela “teletela” (aparelho espião do livro 1984) escolhendo o conteúdo que eu devo ver? Pense um pouco quantas vezes você se questionou por um fato que você viu hoje na internet? acredito que você deve ter apenas aceitado sem se perguntar o porque? o que? como?.

É normal do ser humano afinal “nasceremos originais e morreremos copias” pois tendemos a copiar o próximo. Vale a pena lembrar até que ponto temos privacidade? ( já viu caso Snowden? ). Até que ponto vai ter alguém escolhendo meus conteúdos?