O Ar-dor do Amor

Amar demais deve ser pecado, só pode assim ser. A gente morre por amor, mas a gente morre de amores.

A gente luta, revida, tenta alcançar o inalcançável. O invisível, aquilo que ninguém vê, ou finge que não existe.

Amor, o elixir dos loucos, dos que não se comportam como gente, e sim como bestas sedentas por sonhos. Esses que pensam e operam fora da rotina maçante, e quebram as engrenagens da máquina chamada “padrão”.

O amor é seu próprio patrão, e guia-se por si mesmo com uma vontade insana de liberdade. Por isso amar deve ser proibido aos olhos de quem nada sente.

A caçada às feras que amam, está aberta, salve-se quem puder. Ame quem não te quer. Mas não ame demais, pois o sangue que escorre por entre teu seio, pode não ser o de seu amor.

Ame se for capaz. Só ame se for tenaz. Pois para o resto… para o resto, meus amigos, o amor tanto faz.

Like what you read? Give Dex Drakon a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.