Não, Você Não Precisa Desinfetar Suas Compras, Mas Veja Como Comprar Com Segurança

Vai às compras? Cientistas dão conselhos sobre o que se preocupar e o que não se preocupar. Foto: Katrina Wittkamp/Getty Images

N.T.: Este artigo foi publicado em inglês no dia 12/04/2020 no site da NPR. Mesmo que a situação dos EUA seja muito mais grave que no Brasil, as informações são extremamente relevantes. O artigo original se encontra neste link.

A grande maioria dos Estados Unidos está em lockdown neste exato momento. Mas as ordens de reclusão vem com algumas exceções — como por exemplo fazer compras.

Muitos de nós estão nos aventurando em estocar comida e produtos de higiene pessoal. Mas qual é o método mais seguro de fazer compras durante a pandemia? E o que você deve fazer após trazer suas compras pra casa?

Pedimos para experts em doenças infecciosas, virologia e segurança de alimentos para que dessem algumas dicas sobre como fazer compras com segurança — e com o que você pode parar de se preocupar.

Conheça os perigos — foque nas pessoas, não na comida

Muitos estão preocupados com a possibilidade de contrair o coronavírus de lugares como esteiras de caixas de supermercado e embalagens de papel. Mas todos os experts com quem a NPR falou concorda que o maior risco nas compras é estar dentro dos mercados com outras pessoas que podem estar infectadas.

“Enquanto é possível contrair o vírus [de superfícies contaminadas], a maior parte da transmissão provavelmente será por ‘gotículas’ respiratórias pelas quais você fica exposto quando está perto de outras pessoas,” diz Angela Rasmussen, uma virologista no Centro para Infecção e Imunidade na Mailman School of Public Health da Universidade de Columbia.

Evite aglomerações e compre rapidamente

Donald Schnaffner, um microbiologista de alimentos e professor reconhecido na Universidade de Rutgers, aconselha que você vá a mercados que limitam o número de clientes que podem entrar por vez. Enquanto isso pode causar longas filas do lado de fora, isso também facilita a prática do distanciamento social dentro das lojas — ficar ao menos a 2 metros de distância de outras pessoas. E enquanto estiver lá dentro, foque em entrar e sair o mais rápido possível para minimizar os riscos.

“Seja o mais eficiente possível nas lojas,” diz Schnaffner. “Leve uma lista. Ande rapidamente e com eficiência. Não fique no meio do caminho. Respeite as outras pessoas. Mantenha distanciamento social enquanto estiver na loja.”

Use proteção para o rosto

Com as provas crescentes de que pessoas podem transmitir o vírus antes de mostrar sintomas, elas podem não saber que estão infectadas. É por isso que os Centros de Controle e Prevenção de Doenças recomendam que as pessoas usem panos para cobrir o rosto em público e algumas lojas agora exigem que clientes usem proteção — não só para proteger você mas para proteger outras pessoas de você caso você esteja infectado.

Vá sozinho

Dr. David Aronoff, diretor da Divisão de Doenças Infecciosas no Centro Médico da Universidade Vanderbilt, diz para ir aos mercados sozinho se puder, pois trazer toda a família para as compras só vai aumentar aglomerações nos caixas — e pode potencialmente aumentar o risco de infectar as pessoas da sua casa.

“Se você mora com mais três pessoas e as três vão às compras, mesmo se as três tiverem um risco baixo de ser contagiado num nível individual, eles essencialmente triplicam o risco quando em grupo,” diz Aronoff, que recentemente escreveu sobre práticas alimentares seguras durante esta pandemia no jornal médico JAMA.

Higienize carrinhos e mãos

Quando estiver no mercado, certifique-se de higienizar os cabos e alças dos carrinhos e cestas de supermercados. Muitas lojas fazem isso para os clientes, mas não custa nada levar seu próprio álcool em gel ou lenços desinfetantes se você tiver algum. Evite tocar seu rosto enquanto estiver lá dentro até que você possa higienizar suas mãos novamente.

Outra dica de Rasmussen é: Não use seu celular dentro das lojas, pois “um celular é uma excelente forma de levar as mãos perto do seu rosto”

Esqueça as luvas

“Luvas não são mágicas,” diz Schaffner. “Luvas não te deixam invulnerável. Assim que você toca algo com as luvas, a contaminação está nas luvas.”

Rasmussen concorda. “Já vi muitas pessoas usando luvas em público, e elas as usam o dia todo e fazem muitas atividades normais, como usar seus telefones, potencialmente comer, potencialmente manusear comida que eles vão comer mais tarde com essas luvas,” diz ela. “E essa não é uma boa prática.”

Ela deixa as luvas em casa e, ao invés disso, higieniza ou lava suas mãos antes de entrar nas lojas, depois de sair delas e mais uma vez ao chegar em casa.

Rachel Graham, uma virologista que estuda o coronavírus na Gillings School Of Global Public Health da Universidade da Carolina do Norte, também evita luvas. Mas se você quiser usá-las, ela diz pra se certificar de tirá-las corretamente: “O melhor jeito de tirar as luvas que podem estar contaminadas é pegar elas por dentro na parte das palmas da mão e puxá-las como se tirasse uma meia, para que você vire elas ao avesso.”

Dê espaço ao caixa

Enquanto que fazer compras podem te estressar, são os trabalhadores nos mercados que estão em maior risco, pois eles interagem com vários clientes diariamente. Proteja-os mantendo uma distância de 2 metros, ou o mais distante possível, enquanto passa suas compras.

Sobre escolher entre o auto-checkout ou um caixa, escolha a opção que permita mais espaço para distanciamento social. Tudo depende de como é a disposição da loja. Alguns mercados agora têm barreiras de acrílico nos caixas. Nesta situação, diz Aronoff, ir ao caixa é tranquilo, especialmente se ambos ou apenas um dos dois estiver usando proteção facial.

Escolha pagamentos contactless quando possível

Se você tiver a opção de pagamentos sem toque como Apple Pay e Google Pay, use. Se esta opção não existir, uma máquina de cartão com NFC é a pode ser contactless, alerta Graham. Ela pessoalmente está evitando dinheiro no momento pois pesquisas indicam que cédulas e moedas podem hospedar milhares de micro organismos.

No entanto, Rasmussen lembra que não sabemos quanto tempo o coronavírus sobrevive no dinheiro. E ela diz que se o seu cartão de crédito obriga a tocar o teclado, esta é uma “superfície de alto toque” que pode potencialmente abrigar outros patógenos além do coronavírus. Dito isto, “não quero encorajar pessoas a serem germofóbicos em extremo,” diz Rasmussen.

Seja dinheiro ou cartão, diz ela, tenha a certeza de higienizar as mãos (e o cartão) após a transação.

Não fique paranóico desinfectando os alimentos

Muitos clientes estão seguindo rotinas complexas para desinfectar suas compras graças a um vídeo de um doutor familiar de Michigan que viralizou. Mas todos os experts com quem falamos disseram que desinfectar e lavar manualmente cada item das suas compras não é realmente necessário. Talvez te conforte ao saber que nenhum desses experts estão fazendo isso.

Rasmussen explica que a probabilidade de contrair o vírus por uma superfície contaminada não é zero, mas é bem baixa. Isto acontece porque as “gotículas” respiratórias teriam que cair no exato local em uma caixa ou embalagem que você toca. E, mesmo assim, você terá que conseguir uma carga viral residual o suficiente nas suas mãos para começar um contágio — E você terá que transferir esse vírus para seu rosto. Resumindo: se você tiver boas práticas de higiene — lavar as mãos depois de retirar as compras das sacolas, antes de cozinhar e antes de comer — logo, diz ela, seu risco é provavelmente “muito, muito baixo.”

Como Aronoff indica, “O tempo está realmente do seu lado.” Isso porque assim que o vírus está em uma superfície, ele perde a capacidade de contaminação. “Após 24 horas, a maior parte dos vírus não é mais infeccioso,” diz ele. E depois de 72 horas, ele afirma que pesquisas indicam que o vírus é só um resquício ou indetectável na maioria das superfícies. Então se você sabe que não vai usar um enlatado ou embalado por dois ou três dias, só guarde-os, lave as mãos e siga em frente. E mais uma coisa: limpe as superfícies após guardar as compras.

Se você ainda está preocupado e a comida não precisa ser refrigerada, Graham diz para deixar parada por 24 horas.

Se você REALMENTE quer lavar suas compras, não use desinfetante ou lenços desinfetantes

Se lavar cada embalagem e pote de alguma forma diminui a sua ansiedade, não há nenhum problema com isso, dizem os experts. Mas Graham avisa que se você se sente obrigado a lavar, é melhor ficar só na água e sabão. “Muitas embalagens não são feitas pra serem lavadas com desinfetante, e você pode acabar contaminando sua comida,” diz.

Schaffner diz que sprays desinfetantes e lenços são feitos pra se usar em superfícies duras, o que não inclui muitos tipos de plásticos ou papelões usados em embalagens de comida.

Lave produtos frescos em água — e coma verduras e legumes!

Algumas pessoas estão dizendo pra lavar verduras e legumes com água e sabão. Mas Schaffner diz que é uma má ideia pois é possível que você ingira resíduo de sabão, o que pode causar diarreia e vômitos. Ele diz que a melhor coisa é lavar verduras e legumes em água fria. Se é algo com uma “pele” mais dura, use uma escova ou esponja.

E Schaffner diz pra não reduzir seu consumo de frutas ou legumes. “Não há provas que estas comidas podem transmitir o vírus ou causar o COVID-19,” ele diz. Além disso, diz ele, verduras e legumes possuem nutrientes valiosos que são especialmente importantes nestes momentos estressantes.

N.T.: A ANVISA orienta que frutas e verduras devem ser higienizadas lavando-as em água corrente, separando as folhas e frutas deterioradas, colocando-as por 10 minutos em água clorada (utilizando produto adequado) e lavando-as novamente em água corrente.

Você deve tomar banho ou trocar de roupa após fazer compras? Depende

“Pessoalmente eu não gosto de fazer uma descontaminação completa quando chego eu chego do mercado,” diz Rasmussen. “Eu lavo minhas mãos. Não coloco meu rosto e minha boca nas minhas roupas.”

Mas, segue ela, “pessoas com crianças pequenas podem considerar a opção, já que crianças — especialmente as mais novas — não estão tão preocupadas sobre onde elas colocam a boca ou as mãos.” Ela diz que no final fica a questão do conforto pessoal. “Se você se sente mais confortável trocando de roupa e tomando banho após voltar de uma saída essencial, então apenas faça,” ela diz.

Graham diz que se você vive com alguém que está no grupo de risco para a COVID-19, tomar banho e trocar de roupas pode ser uma precaução razoável.

Ainda ansioso? Faça as compras pela internet

Uma forma simples de não se preocupar em fazer compras e praticar distanciamento social é por entregas pela internet. Você pode pagar adiantado e ter suas compras entregue em casa sem contato cara a cara. Apenas lembre-se que, enquanto você está em segurança em casa, os trabalhadores estão se colocando em risco para pegar e entregar sua comida. Logo, dê gorjetas generosas. Sobre como guardar as compras, os experts dizem pra seguir os mesmos conselhos que você seguiria fazendo compras.

Um comentário sobre comida congelada

Alguns de vocês perguntaram se congelar a comida mata o vírus. A resposta é não. Congelar ou refrigerar a comida ajuda o vírus a sobreviver por mais tempo. É por isso que laboratórios de pesquisa congelam amostras virais para preservá-las, como Graham lembra. mas se você estiver preocupado ao manusear comida congelada, apenas jogue fora a embalagem e lembre-se de lavar usas mãos após retirar a comida, diz Rasmussen.

--

--

--

Meu nome é Elias. Eu escrevo coisas.

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Elias Porto

Elias Porto

Meu nome é Elias. Eu escrevo coisas.

More from Medium

Valleys (Requited)

Peaceful Protest vs. Ecoterrorism: Dividing Viewpoints on Environmental Persuasion