Cooperação internacional alemã Pão Para o Mundo visita o Sertão do Pajeú

Objetivo da visita foi conhecer o que está sendo feito para melhorar a convivência das populações com as mudanças climáticas

Por Tádzio Estevam (Assessor de Comunicação da Diaconia)

Integrantes da cooperação internacional alemã Pão para o Mundo (Brot für die Welt), uma das entidades parceiras e históricas da Diaconia, estiveram em Pernambuco, entre os dias 07 e 10 deste mês, para conhecer de perto as experiências desenvolvidas pela organização no âmbito da convivência com o Semiárido frente às mudanças climáticas. A comitiva viajou para o Sertão do Pajeú para uma série de visitas e atividades de intercâmbio. A delegação foi composta pela coordenadora geral da organização para a América Latina e Caribe, Danuta Sacher, e sua equipe Tina Kleiber (Projetos), Sabine Minninger (Clima), Andreas Behn (Jornalista), Eike Zaumseil (Clima e Agricultura) e Joachim Funfgelt (Energias Renováveis). A visita foi acompanhada por uma equipe de jornalistas da TV estatal alemã ZDF que foi ao sertão produzir matérias sobre as atividades da Diaconia.

De acordo com Tina Kleiber, oficial de projetos da Pão Para o Mundo (PPM) na América Latina e integrante da equipe Brasil, o objetivo principal da visita ao sertão foi conhecer melhor as entidades parceiras e o que está sendo feito para melhorar a convivência das populações diante dos efeitos provocados pelas mudanças climáticas que atingem o País. “Estamos aqui em Pernambuco com três especialistas na área de Clima da organização Pão Para o Mundo. Queremos saber como as organizações estão trabalhando essa questão, uma vez que uma das nossas preocupações está nas mudanças climáticas e nas suas consequências”. Tina ainda chamou atenção para a próxima Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática, a COP 25, que é um evento global para discutir as ações dos países para frear a mudança do clima e diminuir as altas temperaturas do planeta. “A COP provavelmente acontecerá aqui no Brasil, em 2019. E nós já estamos nos preparando para as nossas incidências políticas dentro do evento. Por isso viemos ao País entender os efeitos das mudanças climáticas”, completou.

No primeiro dia de atividades, a equipe foi a campo conhecer as tecnologias sociais, desenvolvidas pelas famílias assessoradas por Diaconia, na propriedade rural da jovem agricultora Maria José Martins, que fica na comunidade de Barreiros, município de Carnaíba, distante aproximadamente 20 quilômetros de Afogados da Ingazeira. Lá, foi possível conferir os diversos meios de armazenamento de água, bem primordial para as famílias sertanejas. No período da tarde, a comitiva seguiu para o município de Sertânia para conhecer o Eixo Leste do Projeto de Integração do Rio São Francisco, responsável por levar a água do rio para cerca de 4,5 milhões de pessoas em 168 municípios que sofrem com a seca prolongada em Pernambuco e na Paraíba. O eixo passa pelos municípios pernambucanos de Floresta, Betânia, Custódia e Sertânia, até Monteiro, na Paraíba.

Na quinta-feira (09), a equipe foi ao município de São José do Egito conhecer outra experiência na propriedade da agricultora Ivoneide Leite, esposa do também agricultor Marcelo Carneiro. Ambos estão à frente da Associação Agroecológica do Sertão do Pajeú (AASP) que atende a aproximadamente 60 famílias agricultoras. O grupo foi levado para uma área de mais ou menos um hectare onde a Diaconia e a família agricultora estão realizando — com o apoio de Pão Para o Mundo -, uma experiência de recuperação do solo degradado, para cultivo de plantas forrageiras como as cactáceas e outras espécies nativas resistentes para garantir a alimentação animal em períodos de seca. A experiência teve início a um ano e já é possível ver brotar do solo, em processo de recuperação, plantas como a palma forrageira, por exemplo. “Essa área ainda será concluída, mas já é gratificante ver algumas espécies que plantamos lá atrás dar resultado, o que irá nos ajudar a alimentar nossos animais. Estamos muito satisfeitos com a ideia que a Diaconia nos trouxe”, disse Ivoneide.

Após a visita, a delegação participou de uma conversa institucional com os dirigentes da Diaconia e também com o Assessor Executivo da Articulação do Semiárido Brasileiro — ASA Brasil, Alexandre Pires. Durante o encontro, houve uma apresentação geral da organização, assim como uma discussão sobre as ações de intervenção da Diaconia nos territórios semiáridos. A coordenadora geral de Pão Para o Mundo para a América Latina e Caribe, Danuta Sacher, elogiou as ações desenvolvidas pela Diaconia e seus parceiros nos territórios. “Estamos muito felizes em ter encontrado na Diaconia uma organização aliada e muito capaz, que demonstra uma articulação muito forte com a população sertaneja e também nas regiões metropolitanas do Recife e Fortaleza. Vimos vários exemplos do excelente trabalho desenvolvido. São muitas as maravilhas descobertas por meio da Agroecologia como a importância da utilização da água que vimos nas propriedades que visitamos”.

Waneska Bonfim, coordenadora político-pedagógica da Diaconia, considerou a visita como um momento muito especial para discutir e apresentar as ações da organização para especialistas de outros países. “Esses especialistas tiveram a oportunidade de conhecerem o Semiárido do Brasil e a oportunidade de verem de perto e na prática o que é possível fazer para conviver com este clima, muito mais do que lhe são passados por relatórios. A possibilidade ter recebido este grupo que é uma organização parceira de muitos anos, demonstra um reconhecimento do nosso trabalho e que nos faz sentir parceiros de cooperações internacionais no Brasil”, completou. Do Pajeú, a comitiva seguiu para o Fórum Social Mundial, em Salvador, e de lá para o Fórum Alternativo Mundial das Águas, no Distrito Federal. Ambos os eventos terão início nesta semana e a Diaconia terá participação.