Diaconia participa de roda de diálogo durante V Encontro Juventudes e Agroecologia

Evento reúne no Recife 100 jovens do campo e da cidade de todo Estado

Por Tádzio Estevam (Assessor de Comunicação da Diaconia)

Mandalas foram confeccionadas para representar, por cores, os conflitos e conquistas das juventudes
“A gente precisa ser a mudança que a gente quer que aconteça! ” (Alexandre Merrem)

Esta é a vibe que está permeando o V Encontro Juventudes e Agroecologia que acontece desde a última terça-feira (17) e segue até esta sexta (20) na Cidade Universitária, no Recife. O evento reúne 100 jovens do campo e da cidade de todo Estado e tem como objetivo trocar experiências acerca dos desafios e das conquistas dos direitos e da agroecologia. A Diaconia é uma das entidades parceiras do encontro e participou de uma roda de diálogos na última quarta-feira (18).

Waneska Bonfim, coordenadora da Diaconia, foi convidada para um bate papo com as juventudes

A coordenadora Político-pedagógica da Diaconia, Waneska Bonfim, se considera uma militante das causas juvenis há muitos anos e foi uma das convidadas para trocar algumas ideias com as (os) jovens. “Este evento é bastante enriquecedor para todas e todos nós. Receber informações sobre os medos, conflitos, lutas e conquistas dessas juventudes aqui representadas por todas as regiões de Pernambuco é algo fantástico. Aqui, elas e eles trazem problemas específicos de sua região, assim como as conquistas, sejam elas do Sertão, Agreste, Mata e Litoral e nós destacamos dois pontos muito importantes: as demandas de transição para a fase adulta e as demandas de vivência juvenil. Essa é uma discussão constante, que denotam características do Ser Jovem. Continuaremos na luta para a garantia dos direitos dessas juventudes”, concluiu.

As juventudes se dividiram de acordo com as respectivas regiões do Estado

Durante o segundo dia de atividades, as (os) participantes se dedicaram à produção de mandalas gigantes que serviram de instrumentos de divulgação das vivências de cada região do Estado. Nelas, as juventudes depositaram quais suas visões de mundo, o que mais as afetam nas suas comunidades, ideias de como melhorar a realidade local, os maiores conflitos vividos e as conquistas já alcançadas. A mediação ficou por conta do educador popular Alexandre Merrem. Janaina Ferraz, assessora para a juventude do Centro Sabiá, destaca que a Agroecologia proporciona o bem viver das juventudes nos seus locais de origem. “A Agroecologia favorece imensamente a permanência do jovem no campo. Essa permanência significa trabalhar a questão da identidade camponesa, os aspectos relacionados ao acesso à terra, à qualidade de vida, as relações de solidariedade e coletividade, a preservação de valores e relações familiares. Também contribui para a independência financeira e autonomia nos trabalhos”, destaca.

Além das atividades que acontecem no local do encontro (Núcleo de Apoio a Eventos da Universidade Federal de Pernambuco), esta quinta (19) será dedicada às vivências externas. Dentre elas, um ato político e cultural e a feira Saberes e Sabores que acontecerão a partir das 19h na Praça do Morro da Conceição, Zona Norte do Recife. O objetivo desse momento é mostrar a “cara” das juventudes, suas produções artístico-culturais, a produção da agricultura de base agroecológica e festejar as conquistas e a aproximação da vida no campo e na cidade.

O Encontro Juventudes e Agroecologia é uma realização do Centro Sabiá com o apoio de outras organizações como Diaconia, FASE (Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional), Casa da Mulher do Nordeste, Comissão de Jovens Multiplicadores da Agroecologia, Pastoral da Juventude Rural (PJR), GT de juventudes da Articulação Nacional de Agroecologia (ANA), Levante Popular da Juventude e Cooperação Terra dos Homens Suíça.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.