Pesquisa revela “trio de ouro” para o orgasmo feminino

Homens e mulheres gays afirmam ter orgasmos com mais frequência que mulheres heterossexuais


No início dos anos 2000, a personagem Monica Geller, da série Friends, bem que tentou ensinar a fórmula para satisfazer uma mulher na cama em sete tópicos. Mas agora um time de cientistas americanos simplificou a tese interpretada por ela e sugerem que a combinação ideal para fazer sua parceria atingir o orgasmo seja a seguinte, anote aí: estimulação genital, sexo oral e beijos profundos. Parece mole, não é? Mas, se fosse tão simples, não existiriam tantas mulheres anorgásmicas.


Para chegar nesse mantra científico da satisfação sexual, os pesquisadores hospedaram um questionário no site da NBC e coletaram dados de mais de 52 mil indivíduos entre 18 e 65 anos. Além da grande quantidade de pessoas entrevistadas, o diferencial da pesquisa foi levar em consideração a orientação sexual dos participantes. Do total de entrevistados, 26 mil eram homens heterossexuais, 452 deles eram homens gays, 550 se identificaram como homens bissexuais, 340 mulheres como lésbicas e 24 mil como mulheres heterossexuais. O estudo foi publicado no periódico Archives of Sexual Behavior.

Até então, a maioria das pesquisas sobre prazer sexual só se atinha a diferenças entre homens e mulheres sob uma perspectiva heteronormativa. Mas, os pesquisadores perceberam que esse é um tema que exige investigações mais aprofundadas entre os lençóis de diversas orientações sexuais.

Debaixo dos panos ou por cima deles, o fato é que os homens foram maioria ao afirmar que “geralmente ou sempre” gozam quando transam: sendo 95% deles heterossexuais, 89% gays e 88% bissexuais.

Entre as mulheres, as que mais chegam lá são as lésbicas, que relataram atingir o orgasmo em 86% das relações, seguidas das bissexuais em 66% das vezes e, na lanterna, as heterossexuais em 65% das transas.


Debaixo dos panos ou por cima deles, o fato é que os homens foram maioria ao afirmar que “geralmente ou sempre” gozam quando transam: sendo 95% deles heterossexuais, 89% gays e 88% bissexuais.

Entre as mulheres, as que mais chegam lá são as lésbicas, que relataram atingir o orgasmo em 86% das relações, seguidas das bissexuais em 66% das vezes e, na lanterna, as heterossexuais em 65% das transas.