Jardim Brasil é o campeão da Libertadores da Várzea

No tradicional e eterno estádio Paulo Machado de Carvalho, mais conhecido como Pacaembu, o Jardim Brasil sagrou-se o campeão da Libertadores da Várzea de 2015, após empatar em 1 a 1 no tempo regulamentar e vencer o Sedex por 4 a 3 nos pênaltis, em um jogão que entrou para a história do futebol varzeano de São Paulo.


As equipes chegaram no Pacaembu como times profissionais, de ônibus de certa forma um pouco sofisticado do que o comum, com cerimônia e tratamento vip. O vestiário fora de série, com longa área para aquecimento, coisa que estamos acostumados a ver somente na televisão. Até mesmo os jogadores mais experientes sentem o momento único.

Ao subir as escadas e se deparar com 16.325 mil pessoas no estádio, o frio na barriga aumenta ainda mais. Aí que a fixa cai, já que esse jogo já estava na história de cada um que participou diretamente e indiretamente. Dentro ou fora de campo. Sendo personagem direto ou não desse embate.

Com a bola rolando, um jogo muito bom tecnicamente, com muita correria e sem deixar o velho jogo pegado de lado. O Jardim Brasil até que começou melhor, frequentando mais o campo de ataque, mas não conseguiu abrir o placar e viu um Sedex crescendo aos poucos, tocando a bola com experiência e sabendo deixar o tempo passar, principalmente pelo sol de quase 35° que pairava na cabeça de todos ali no Pacaembu.

Em algumas chances tímidas, sem muito perigo para os arqueiros, a partida ficou mesmo no 0 a 0. Deixando toda a emoção para os 40 minutos finais, que novamente começou com o Jardim Brasil tentando o gol. Mas dessa vez, depois de desperdiçar duas chances, conseguiu abrir o placar com Bistafa, após cortar para dentro e chutar sem força, mas o suficiente para tirar o Renatinho da jogada e correr para o setor principal do estádio, onde se encontrava a Fúria do Bin Laden.

A vantagem dava mais tranquilidade para o Jardim Brasil, que a partir do placar favorável, tentava sempre buscar o contra-ataque fatal, para matar o jogo. Mas o Sedex voltou a marcar bem, Thiago Lucatelli e Alemão, junto com a boa marcação e saída de bola de Papi, deram uma boa sustentação defensiva para a equipe ir com tudo em busca do empate.

Parecia que a bola não ia entrar, o goleiro Du e a pontaria do Sedex não eram das melhores, mesmo assim a equipe mostrou uma luta e raça incrível, trazendo sua enorme torcida junto e indo pra cima nos minutos finais. Quando parecia que o jogo iria ficar no 1 a 0, Para acertou um lindo chute da entrada da área, na gaveta, empatando o jogo e levando tudo para as emoções dos pênaltis.

Nos pênaltis, um teste para cardíaco tradicional. O Sedex estava mais acostumado, já que vinha de duas classificações nas cobranças de pênaltis, contra o Ajax e Ratatá. Mas para infelicidade da equipe de Palmerinha, dessa vez a história foi diferente. Aliás, a estrela do goleiro Du apareceu e o goleiro pegou a última cobrança, deixando toda a responsabilidade para Hugo, que bateu bem e deu ao Jardim Brasil o título da Libertadores da Várzea.


Melhores momentos do jogo:


O Portal da Várzea parabeniza as duas equipes finalistas e todas as outras participantes dessa primeira Libertadores da Várzea.


One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.