Cibercultura e sua inserção no mundo atual
Cibercultura é o nome de um dos livros de Pierre Levy, publicado em 1997 pela Éditions Odile Jacob, mas o que significa esse termo? Cibercultura surge do uso da rede de computadores ou de suportes tecnológicos através da comunicação virtual. Com esse termo, Pierre Levy procura fazer definições, críticas e defesas ao mundo cibercultural.
Durante o livro, o autor faz algumas críticas à maneira como as instituições de ensino se comportam, quase ignorando o que, segundo ele, pode ser um avanço aos métodos educacionais. Esse avanço na educação defendido por Levy se dá pela tecnologia, pelo uso desses ciberconhecimentos tão nítidos e extensos, disponíveis nessas redes de compartilhamento.
O autor ainda cita a imensidão de conhecimento e informação disponíveis nas redes através da inteligência coletiva, inteligência essa, possível apenas diante da interação de indivíduos que a produzam. Uma coisa enfatizada pelo autor, é que não existe uma inteligência coletiva sem a participação efetiva de nós, indivíduos produtores de informação. Receptores e armazenadores que usamos da tecnologia para ampliar nossos conhecimentos de uma forma potencialmente estrondosa.
Acho que na verdade, nunca armazenamos tanto conhecimento como viemos a fazer agora, tudo isso fruto de uma interação grandiosa representada pela febre das redes sociais e das interconexões que nos rodeiam no mundo da web.
Essa relação entre tecnologia e conhecimento enriquece notoriamente o aprendizado do indivíduo e fortalece o conteúdo de informações disponibilizados, promovendo variedade e imensidão.
É preciso se render ao que a tecnologia pode oferecer de melhor, dessa forma, moldá-la e aperfeiçoá-la. O que se pode armazenar nesse universo do ciberespaço é um conhecimento que nos permite evoluir cada vez mais, sempre crescendo, compartilhando e interagindo.