Sim, nós vamos ter mais uma protagonista feminina em Star Wars e isso é ótimo!

Saiu o primeiro trailer do novo Rogue One: A Star Wars Story e parece que alguns “fãs” estão mais preocupados com o fato de termos uma mulher como protagonista do que com o trailer ter sido simplesmente sensacional.

Fãs de Star Wars sempre puderam contar com um rico universo expandido em quadrinhos, romances, jogos, etc, que, a cada nova história, o tornava ainda mais rico. Quando a Disney comprou os direitos da franquia, ela decidiu que, além de fazer novos filmes da série principal, ela iria trazer esse conceito de universo expandido e aplicá-lo ao cinema. Mais ou menos como o que faz com o Universo Cinematográfico da Marvel. Rogue One: A Star Wars Story é o primeiro filho dessa ideia e, pelo trailer divulgado ontem, tem tudo para agradar o mais fã dos fãs.

O tom do filme parece estar sensacional — um pouco mais sério, tenso… afinal, estamos falando quase que de um “filme de assalto” aqui. Rogue One conta a história de como a Aliança Rebelde conseguiu roubar os planos da primeira Estrela da Morte que vemos já em posse da Princesa Leia no início do Episódio IV. Porém, mesmo com esse tom mais pesado, mais intimista, Rogue One não parece que vai ser, visualmente falando, um filme escuro e fechado a todo momento.

O diretor Gareth Edwards (Monstros, Godzilla) e seu diretor de fotografia Greg Fraser (A Hora Mais Escura, Foxcatcher) parece que estão construindo um filme verdadeiramente magnífico, trazendo toda a estética da época da trilogia clássica em uma roupagem melhorada fazendo uso das novas tecnologias disponíveis hoje. Acreditem, fazer efeitos especiais “diurnos” é muito mais difícil do que os “noturnos”— O que foi aquela cena com os AT-AT? Meu coração de fã quase explodiu de emoção ali.

Porém, mesmo com todas as inúmeras qualidades que o trailer mostrou, parece que alguns “fãs” — e eu faço questão de dizer alguns aqui pois sei quero acreditar que a maioria não pensa assim — não gostaram muito do que viram…

Pois é… eles estão incomodados com a protagonista do filme ser uma mulher…

Eu fico me perguntando como o fato da protagonista ser uma mulher poderia, só por isso, fazer do filme algo pior.

Primeiro temos o fato de Felicity Jones não ser uma completa desconhecida. Ela é uma excelente atriz que, inclusive já foi nomeada ao Oscar de Melhor Atriz por sua performance em A Teoria de Tudo (2014). Segundo, que ela está totalmente BADASS no trailer, como seu personagem deve ser!

Reações como essa desses “fãs” só mostram como representatividade e diversidade na ficção é mais do que necessária. Há um senso comum tão forte de que os homens é que devem ser os heróis enquanto as mulheres devem pegar um papel de suporte ou de passividade que simplesmente por vermos uma mulher a frente de um filme desses já soa como algo estranho para muita gente. Precisamos sim de mais protagonistas mulheres em filmes, quadrinhos, games e etc para mostrar que o sexo do personagem não importa para ele ser bom ou não — isso vale também para etnia, sexualidade, etc.

Um bom herói se define por sua personalidade, por suas ações e por nada mais.

Eu fico imaginando que esses supostos “fãs” devem pensar que a escalação da Rey em O Despertar da Força foi “ah, que bonitinho… olha lá… representatividade da mulher, que legal… agora tá bom, né? Acabou a brincadeira. Vamos guardar nossas coisinhas e trazer os personagens de verdade, homens e tal, ok?”… e que tal algumas pessoas deixarem de ser babacas também, que tal? Faço minhas as palavras da Joanna Robinson da Vanity Fair:

Rogue One promete ser um filmaço! Tem cara de filmaço e um elenco animal para carregar o roteiro — alguém mais viu o Forest Whitaker ali sensacionalizando? — Eu, como fã, estou muito feliz de ver a Disney explorando uma gama maior de histórias nesse universo que tanto gosto. Um universo tão diverso que permite, homens, mulheres, robôs e até um bicho peludo humanoide gigante que só sabe grunhir ser adorado por milhões. Afinal, um bom herói se define por sua personalidade, por suas ações e por nada mais.


Se gostaram do que leram, não deixem de clicar no coraçãozinho ali embaixo para recomendar e, quem sabe, fazer com que mais gente também leia esse texto!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.