A internet do Brasil voltando pra 1996… só que pior.

“A regra da Anatel que permite a mudança de planos para serviços em andamento entra em conflito com o Código de Defesa do Consumidor, com o Código Civil e com todas as normas de boa-fé contratual.”

Pense você… A padaria que disponibiliza internet free enquanto vc toma um expresso e trabalha olhando a Lagoa… Não vai ter; O Coworking que vc paga um preço justo pela diária para trabalhar e trocar ideias e experiências,… Vai acabar; A lan house que seu primo joga online… vai falir; Você que trabalha em home office tendo que subir e descer arquivos… não sei como vai ficar; Quem administra redes sociais ou trabalha com e-commerce… Vai fechar as portas; Você que estuda pro vestibular ou ENEM online de graça ou por um preço bacana… vai ter que pagar cursinho ou estudar sozinho; a sua empresa ou marca que tem dados estatísticos confiáveis e métricas lindas para direcionar suas campanhas e novos produtos… vai ficar no escuro; Quando você for comprar um fogão novo, vai pensar duas vezes antes de pesquisar online pra não comer o pacote de dados… assim como procurar uma casa nova ou na praia pra passar as férias; Vai pensar duas vezes antes de pagar suas contas pelo aplicativo do banco… isso só pra começar a lista…

Se parar pra pensar, estamos na era da “internet das coisas” onde desde o celular, tablet, TV, Videogame, banco, tudo está online… Tudo está On-Life. Até a tele-entrega se pede online pelo celular ou rede social… Ou seja… TUDO se faz online…

Limitar esse volume de acesso em tempos que falamos em BIG DATA é pior que voltarmos a 1996 quando tínhamos que pedir pra mãe desligar o telefone pra poder conectar o ICQ…

O que as pessoas não estão se dando conta é que Isso vai implodir toda a economia do país. Tem mais efeito dominó do que um aumento na gasolina.

Isso é barrar estupidamente a comunicação e inovação. Novos negócios, novas maneiras de pensar, novos jeito de trabalhar, estudar. O conhecimento em si.

Estamos indo contra toda a revolução que a rede mundial nos brindou ao ser criada. Está indo ao encontro de estratégias de limitar o conhecimento e comunicação a exemplo de países como Coreia do Norte.

Então… se isso não for cartel, é muito medo do novo… Netflix, UBER, Spotfy, Khan Academy, Descomplica, GDrive, PS4, Evernote, e a lista vai aumentando a cada empreendedor que tem um modelo novo na economia criativa….

Ainda não consigo acreditar que isso vá pra frente… Esse post do TecMundo é extremamente detalhado, conciso e elucidador, além de procurar todos os lados da história.

Não podemos deixar que isso aconteça… leiam, compartilhem, assinem e reflitam sobre o que está prestes a acontecer… Seguem algumas formas de como ajudar (tirei do TecMundo tbm):

  1. Assinar este abaixo-assinado: hospedado na plataforma Avaaz e criado por um internauta identificado somente como Gabriel, o documento precisa reunir 400 mil assinaturas antes de ser entregue para as prestadoras brasileiras; (Já está com 580 mil, assina lá!)
  2. Formalizar uma reclamação no PROCON: essa é a dica de Raphael Chaia. Através do site oficial da fundação, você encontra informações sobre como protocolar uma contestação contra as provedoras; (É burocrático, mas cada um pode fazer a diferença!)
  3. Fazer pressão contra a Anatel e políticos: entre em contato com o órgão regulador e com os políticos que você elegeu — é o dever deles proteger os interesses da população e movimentar processos legislatórios que proíbam a adoção desse formato de cobrança.
    (Aqui é a hora de lembrar daquele vereador, deputado, prefeito, governador, senador que vc votou… lembra dele? manda um e-mail falando disso, exigindo uma atitude, pq eles só estão lá por sua causa… vc que pôs ele lá!)

Mais do que um post em rede social, eu quero fazer a diferença pra não voltarmos à idade média.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Diogo Duarte’s story.