O sotaque e a desnaturalização

Quando eu era criança achava muito engraçado quando ouvia o sotaque de alguém de fora da minha cidade, mas ficava indignado quando alguém insinuava que eu também tinha sotaque.

Depois que cresci e fui “estrangeiro” em outras regiões nas quais as crianças também riam do meu sotaque, tive a oportunidade de perceber que a dificuldade de notar o próprio sotaque estava em passar a maior parte do tempo cercado por pessoas que falavam igual a mim.

Enquanto eu vivia na “bolha” minha cabeça maquinava a ideia de que aquele jeito de falar era o “natural” e o forasteiro era engraçado justamente por ser diferente. Se eu me indignava quando diziam que eu tinha sotaque era porque na minha cabeça isso implicava que eu também falava “errado”.

O sotaque é um aspecto cultural muito bom para nos ajudar a refletir sobre outras coisas que estão embrenhadas em nossa cultura.

Nossa cultura nos fornece um jeito de estar no mundo, porém, como essa assimilação ocorre de forma quase imperceptível, a gente passa a ver aquele jeito de agir como o mais correto, como o único possível, etc.

Em sociologia isso é chamado de “naturalização”, ou seja, perceber determinado traço cultural como algo que ocorre naturalmente.

Desnaturalizar por sua vez é perceber que algo que até então eu julgava parte da natureza de todos os seres humanos é na realidade parte da minha cultura.

Porém, essa desnaturalização não é algo tão simples.

As sociedades mais tradicionais tinham uma distribuição de poder bem mais hierarquizada e por força do hábito foram “naturalizando” diversos privilégios que na realidade eram culturais.

As sociedades modernas passaram por uma série de mudanças e grupos que no passado remoto eram considerados hierarquicamente inferiores e portanto não tinham direito a se expressarem, hoje tem direito a criticarem quando sentem que estão sendo destratados.

Mas, infelizmente, como o hábito cultural que está sendo criticado é visto por muitos como parte da natureza, ao invés da crítica gerar reflexão, ela gera raiva, pois não passa de “mimimi” que está tornando a sociedade mais chata, gerando divisões, etc.

Neste ponto, privilégios são iguais a sotaque, é muito difícil perceber que se é um privilegiado, bem como é difícil perceber que se tem sotaque.

Por isso é mais fácil dizer que o negro que reclama do racismo é culpado de criar o “ódio entre as raças”, do que desnaturalizar seus privilégios e perceber que eles são heranças de uma época em que os brancos se orgulhavam de sua superioridade.

A desnaturalização não produz uma mudança cultural. Quando desnaturalizei o meu sotaque não comecei a falar diferente. Mas ainda sim a desnaturalização ajuda, pois traz mais lucidez sobre as diferenças, impedindo que um traço cultural seja usado como régua pra dizer que a cultura dos outros é certa ou errada.

Da mesma maneira, desnaturalizar o próprio privilégio não vai tornar uma pessoa menos privilegiada, porém, pode ser a diferença entre ela entender a luta do outro como algo pertinente ou como um simples “mimimi”.

Para ser uma pessoa melhor não basta ter um bom coração, é preciso também se livrar daqueles pensamentos que automaticamente dividem as pessoas em “nós, os certinhos” e “eles, os errados” e isso vale para todos que desejam um mundo mais ético, tanto para quem luta contra a injustiça, quanto para quem lucra com ela, ainda que sem se dar conta.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.