No banco de trás

No banco de trás.

O braço acolhe,

e o corpo forma

uma perfeita simbiose.

No banco de trás,

Seu rosto colado ao meu peito,

exala um perfume que me destroe de jeito.

No banco de trás.

Onde os olhos se cruzam,

e as almas se encontram.

Onde o pecado estremesse,

e o amor floresce.

Somente no banco de trás.

Like what you read? Give Diego Silva a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.