A caixa

Imagine que você encontrou uma caixa onde só se pode guardar sentimentos. O que colocaria lá? Suas decepções, frustrações, amor não correspondido, medo? Talvez seja por aí né, até porque quem gostaria de ficar com esses sentimentos “ruins”? Não nos faz bem, correto?

E se eu dissesse para você manter essa caixa vazia? Chamaria-me de louco ou pensaria duas vezes no que estou dizendo? Não nego que é uma proposta tentadora deixar numa caixa tudo que não lhe fez bem durante os anos, mas isso faz parte de você, correto? É parte de quem você é, no que se tornou. Faz parte do seu crescimento como pessoa.

Será que sem essas decepções você veria as coisas de outra forma, sem seus erros você buscaria o certo? Será que olharia para seus desafios com mais confiança e sabendo o que fazer? Gostando ou não, tudo o que achamos ruins nos moldam e nos transformam com o passar dos anos. Acredito que 100% das pessoas gostariam de ter as coisas quando desejam ter. Isso vale tanto para bens materiais ou pessoas. Se assim ocorresse também creio que a maior parte das pessoas tratariam tudo como objetos.

É mais fácil justificar seus atos por conta das suas frustrações do que buscar entendê-las e evoluir. Seguir em frente é melhor do que querer viver o passado e fazer diferente, já que você só quer fazer isso porque sabe como agir. Quer viver seu passado novamente sem saber como lidar com cada situação, como se fosse a primeira vez e passar por tudo de novo?