Traído por uma mijada

Ou por quatro doses de coca

Hoje o dia começou de noite ainda. Lá pelas quatro e meia do horário novo, então eram três e meia do horário velho. Estranho, porque não costumo ter insônia e tampouco levantar de madrugada para ir ao banheiro.

Mas hoje sim. Levantei no meio da noite, olhei o horário no celular e pensei ‘oba, uma mijada e mais algumas horas de sono’. Fui à geladeira, tinha coca. Não sou do tipo, mas tomei. Um, dois, três, quatro goles no gargalo. Voltei pra cama e … começou o vira e mexe. Sem sono. Estranho, porque não sou sujeito que perde o sono nem com doses cavalares de cafeína.

Mas hoje sim. Me entreguei à madrugada chuvosa e à leitura prazerosa. Coisas do horário de verão, disseram no Fantástico ontem. Coisas de uma mente fervilhante, cheia de novas ideias e projetos, prefiro acreditar.

Eu gosto do horário de verão, de dias longos com corridas na praia às oito da tarde. E agora gosto de madrugadas insones com boa leitura às cinco da noite. A vida tem dessas, quando menos se espera, a semana começa quatro horas antes do combinado. Sinal de que pode haver mais surpresas por aí. Gosto de ser otimista.

Agora são oito da manhã, a noite ficou lá atrás e a chuva deu trégua. Já tomei banho, café e um choque de leve. Acho que vou tirar um cochilo até às nove.

Like what you read? Give Diego Brígido a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.