Um pouco sobre a experiência de ir trabalhar sem carro

Faz meses que tenho deixado o carro em casa e passado a usar transporte público para ir trabalhar. Não fiz isso por causa do valor que estou economizando por mês (que é bem pouco), mas por uma série de outros motivos.

Desde o dia que eu deixei de usar o carro, consegui ler algo em torno de 22 livros.

https://www.goodreads.com/user_challenges/3877191

Além disso, estou bem menos estressado. Mesmo pegando algumas vezes o ônibus muito cheio ou tendo que esperar um bocado nos pontos. O que aconteceu é que eu percebi que estava ficando muito chateado com motoristas lerdos, pessoas imprudentes ou simplesmente ficando cansado de ficar parado por longos períodos no trânsito. O caminho casa > trabalho > casa não é muito complexo, é praticamente uma reta. Mas são 15km com vários pontos de parada.

O tempo e o estresse

O tempo que eu passava no carro variava entre 1h a 1h20. Com o trânsito muito bom, consigo levar 45 minutos até trabalho. Mas isso é raro e só é possível em horários alternativos. Mesmo assim, já cheguei a levar 3 horas para voltar para casa. Sim, levei 3 horas para percorrer 15Km. De ônibus, consigo levar de 1h a 1h20 também. E nesse tempo, como falei, aproveito para ler livros, ler emails, ouvir podcasts, ouvir músicas ou simplesmente fico pensando na minha vida feliz. Isso tudo contribui para que eu torne o trajeto mais útil e muito menos estressante.

Fazia tempo que eu não usava onibus e logo no primeiro dia, fiquei 1h na fila para carregar o bilhete. Aí fui descobrindo os paranaues dos aplicativos que te ajudam nessa tarefa. Para me ajudar na adaptação do trajeto, usei um aplicativo chamado Moovit. Ele me ajudou a encontrar várias linhas de ônibus que me fizeram economizar 20 minutos no trajeto casa > trabalho, reduzindo de 1h20 para 1h de viagem no máximo, além de me ajudar a carregar o bilhete.

A maior vitória nessa mudança de rotina foi voltar a ler. Depois que comprei o carro, eu simplesmente parei de ler livros. Em compensação, atualmente, é muito difícil eu ficar sem meu Kindle. Virei um cliente fiel da Amazon e aproveito qualquer promoção que aparece. A rede social que mais uso hoje, depois do Twitter, é o GoodReads. Se você gosta de ler e tem um perfil lá, me adiciona! ;-D

Gastos

O gasto não foi a principal vantagem, já que não economizei o budget mensal planejado. Eu estava gastando algo em torno de R$350 por mês de gasolina. Hoje, R$167 desse valor é para pagar a passagem do ônibus, o resto eu coloco de gasolina, quando necessário. Eu não cheguei a economizar mensalmente, mas consegui atrasar a revisão do carro em 2 meses, já que o limite de quilometragem não foi alcançado.

Eu não optei a usar o Bilhete Único mensal (moro em São Paulo), por que quero ter a possibilidade de não usar todo o dinheiro no onibus. Mas normalmente eu carrego o bilhete com R$38 a R$50 por semana.

Eu costumo ir ao cinema com a minha mulher durante a semana. Meu percurso é mais ou menos esse:

casa <ônibus> trabalho <ônibus> shopping <uber> casa

Eu troquei os R$20 de estacionamento do shopping pelo Uber, já que preferimos as sessões mais tarde, acho mais seguro voltar de Uber do que de ônibus.

Por que não me desfiz do carro?

Eu não me desfiz do carro, por que não seria inteligente. De fim de semana, uso bastante o carro, já que saimos muito e visitamos muita gente. Além de que gostamos de viajar e nesse caso, o carro é bastante útil. Acho que a ideia de manter o carro em casa e usar outro modelo de transporte me ajudou a entender que não existe um meio de transporte perfeito. Dá para usar carro, Uber, bicicleta, ônibus e metrô de acordo com o trajeto e o seu planejamento.

Durante muito tempo eu ouço pessoas com o discurso totalmente contra o carro e a favor da bicicleta (que não é uma opção real para todo mundo). Discordo totalmente dessa opinião. O mais inteligente é usar os vários tipos de modalidades de acordo com a sua necessidade no momento.

Eu sei que em alguns lugares de São Paulo, o transporte é bem precário. Os ônibus são ruins, as linhas não são bem planejadas, causando lotação excessiva nos ônibus e também nos metros, já que a malha metroviária é bem restrita comparado com outras cidades do mundo, embora o metrô de São Paulo tenha a maior em extensão no Brasil (ainda tem?).

Logo, me desfazer do carro seria bobeira, já que posso contar com ele para viajar e fazer passeios mais longos. O que planejo agora é ter, talvez, um carro menor, que gaste menos gasolina.

Com essas adaptações, combinada a facilidade de poder trabalhar alguns dias da semana em casa, consigo ter inúmeras vantagens. Além de ficar mais saudável e normalmente mais disposto.