Moleque Bacurau

De Silvio Moreaux

O moleque bacurau mora no morro,
Num barraco pequeno maltratado
Onde a chuva penetra pelas frestas
Do misérrimo teto esburacado.
 
Não tem cama prá dormir, dorme no chão.
Seu almoço! Seu jantar! Côdeas de pão.
E por fim usa sempre umas calças com remendos de mil cores,
Umas calças que parecem fantasias de arlequim.
 
O moleque Bacurau costuma ir à praça grande
Para ver as brincadeiras dos meninos de família;
Lá estão eles, os filhos dos doutores
Brincando de esconder.
 
Fiau, fiau, moleque Bacurau que estás vendo de longe a criançada tão feliz!
Os meninos são brancos e vieram numas cestas bonitas de Paris.
O moleque Bacurau, pobre beiçola,
Veio dormindo no sangue dos escravos dos cafundós de Angola.
 
Baleio, bala, chocolate, olha a cocada!
 
Os meninos compram doces;
Bacurau não compra nada, pois não tem nem um tostão!
 
Chi! Caiu do tabuleir!
Vamos ver!
É rapadura!
Záz! Apanha, leva à boca …
Ai meu Deus! Que gostosura
A noite vem vindo
Bacurau sobe a ladeira com saudade dos meninos que nem sabem que ele existe.
 
Ai aquela estrelinha luzindo prateada no alto do céu! 
Bacurau tinha vontade de morar naquela estrelinha! …
Como é que ela fica presa?
Quem a vai acender de noite e apagar de dia?
Coitadinho do moleque Bacurau que ignora por completo a astronomia!
 
Já faz oito dias que ele não vai à praça ver a criançada brincar.
Que moleza no corpo!
Que tosse cacete!
Que mãos tão geladas!
Que frio meu Deus!
 
Xi! Lá vai o corpo do moleque Bacurau, descendo a ladeira numa caixa toda preta! …
O moleque Bacurau está importante! Estão tirando o chapéu prá ele!
Ai lindo menino branquinho, branquinho! …
Nós vamos lá embaixo?
Nós vamos à praça com os outros meninos branquinhos brincar?
Me sinto tão leve! 
Não estou mais doente!
Menino branquinho de onde tu vens?
Que coisa engraçada! Não sou mais pretinho! …
Ué minha gente, sou branco também!
Já sei! Já compreendo!
Meu corpo morreu! Sou a alma do pobre menino que tanto sofreu!
Menino branquinho!
Já sei quem tu és!
Vieste buscar-me pro Reino da Luz.
Oh! Graças, mil graças, me leva contigo, 
Me leva contigo, Menino Jesus.