A Grande Oportunidade Por Trás Da Crise

Se você é mais um dos tantos que perderam o emprego nesta crise, não se sinta envergonhado e nem só, pois somos muitos. Sim, eu também ;]

E também não se desespere, esta pode ser uma oportunidade para você dar algum sentido a sua vida! Isso mesmo e não é papo motivacional, nem alguma dica de oportunidade profissional imperdível (desiluda).

O que tenho para dizer é sobre o propósito pelo qual você faz o que faz da sua vida para ganhar dinheiro. Exatamente. Ou por acaso você trabalha, com o que quer que seja, apenas para ganhar dinheiro?

Claro, tem as contas para pagar, mantimentos a comprar, em alguns casos, família para cuidar e, com a grana que sobra, talvez juntar numa poupança para garantir alguma (ideia de) estabilidade futura, ou para pagar os seus estudos, ou de seus filhos, ou até, quem sabe, uma viagem nas férias.

Legal!

Mas será que não existe nada por trás daquilo que eu faço (ou fazia) para ganhar a vida, que me inspire tanto quanto a ideia de ganhar dinheiro em si para vencer os obstáculos que a sociedade me impõe? Será que a minha profissão se resume a uma necessidade de sobrevivência e que, na hipótese de ganhar na loteria, eu nunca mais chegaria perto daquelas atividades às quais o meu trabalho, até então, me submetia?

Provavelmente.

Mas calma, não se mate por isso. Vamos por partes.

Encarar A Realidade
Primeiramente, o que ocorre quando se alcança estes objetivos, que estão a frente da necessidade de conseguir dinheiro?

Trabalho > Dinheiro > Estabilidade > Conforto > ( Felicidade? )

Noop!

Ocorre o previsível, pouco previsto pela maioria. O dar-se conta de que a conquista desta sequência de metas não culmina exatamente em felicidade.

Me entenda bem, não estou dizendo que a felicidade não possa estar presente no decorrer do tempo que comporta estas conquistas. Mas a sequência parece ter continuidade, não acha? Ou do contrário a vida seria apenas uma gincana de sobrevivência, aonde existir não significa mais do que durar o máximo de tempo na brincadeira. E, de preferência, sair sem muita dor dela.

Além do mais não conheço casos de pessoas estagnadas na vida, ainda que ricas, que se sintam plenas e realizadas. Muito pelo contrário, estas pessoas geralmente se sentem despropositadas da vida, consomem por se sentirem consumidas pelo despropósito e vivem mais infelizes do que aqueles que, embora muitas vezes perdidos, estão buscando sentido nas coisas.

Não é a toa que as taxas mais altas de suicídio se dão nos países mais bem desenvolvidos da Europa e da América do Norte.

(Mas calma, não falemos em suicídio ainda!)

Então considerando que seja mais do que isso, o que poderia vir a ser essa continuidade para as pessoas em geral?

Definir Um Propósito
Somos educados e instruídos para crer que, cumprindo essa sequência de metas, atingiremos uma felicidade plena, final, quase sólida. Mas isso não existe e nem poderia pois:

A felicidade não é um destino, é uma viagem. A felicidade não é amanhã, é agora. A felicidade não é uma dependência, é uma decisão. A felicidade é o que você é, não o que você tem. — Osho

Sábios orientais, há séculos tentam explicar ao ocidente que a felicidade é um estado de consciência e que, portanto, não pode ser conquistada, mas sim alcançada. E que portanto independe da circunstâncias físicas ao nosso redor.

E se a felicidade é um estado mental, que depende do fazer, e não do obter, ou seja, constitui o exercício em si, e não o objetivo por trás dele, como atingir esta meta? Nós, reles mortais ocidentais? Simples:

Trabalho > Dinheiro > Estabilidade > Conforto > Propósito :]

Certo, mas na prática o que seria ter um propósito? Como consigo isso? Posso comprar com a grana que juntei para as férias, ou estudos dos meus filhos?

Again, not.

Você precisará encontrá-lo! Assim como fez Goku em busca das esferas do dragão, você terá que procurar por aí o propósito que te inspiraria a sair da cama todos os dias voluntariamente, e não compelidamente, para produzir, trabalhar, isto é, empregar suas habilidades no desenvolvimento de algo.

“Esse cara está mesmo falando em ir atrás dos meus sonhos? Sério isso?”
Você deve ter pensado. E a resposta é sim!

Só que infelizmente isso dá trabalho e nós temos muito o que fazer em nossas vidas, como trabalhar, estudar, cuidar dos filhos e em tempos de crise principalmente!

Mas tudo bem, ainda há uma saída. Há uma grande oportunidade em meio a essa crise, que somente uma crise poderia proporcionar. E não se preocupe, mesmo que não seja iminente ela é bastante provável para boa parte dos brasileiros e mesmo que não te afete diretamente, indiretamente irá!

— Ela se chama desemprego. Muito prazer.

(Calma, agora começa a melhorar o texto!)

Assumir Responsabilidades

“Tempos difíceis são tempos interessantes” — Provérbio chinês

Há milênios os chineses já sabiam que a zona de conforto, a estagnação era a morte do espírito e que vida era movimento, ação e vontade. Mas o que isto quer dizer exatamente? Quer dizer que somos a pura expressão daquilo que queremos e que, quando não queremos nada, adivinhem: Não somos nada!

Mas se você chegou até aqui (sem se matar) é porque deve estar querendo alguma coisa! E isso é muito bom, ainda que não saiba exatamente o quê.

Não sei se você já notou, mas o mundo tem um bocado de problemas para serem resolvidos. E não parece ter muita gente interessada nisso, mas sem dúvida todas as pessoas sofrem de alguma forma com todo tipo de problema que existe no mundo. Direta ou indiretamente, de maneira que uma crise como esta nos serve também para nos fazer sentir mais iguais, mais suscetíveis àquilo que, até ontem, só o outro esperava passar.

Nos torna mais humanos sofrer dificuldades e, à medida que nos tornamos, enxergamos melhor os reais valores sociais, aqueles que servem a todos e não somente a alguns. Portanto sinta-se pela crise desafiado e não derrotado!

Passamos a vida tentando passar por ela, entorpecidos em pessoalidades tão egocêntricas que afetam até a nós mesmos, mas quando nos obrigam a sair da zona de conforto, temos a chance de fazer novas escolhas, de viver a vida ao invés de apenas sobreviver a ela.

E não é preciso necessariamente escolher uma nova profissão para encontrar sentido naquilo que se faz, você pode simplesmente atribuir um significado maior por trás da sua área de atuação, determinando um ideal que te guie através daquilo.

Por exemplo, trabalho com design de experiência de usuário, entre outras coisas. Ao longo dos anos produzi uma infinidade de materiais gráficos e digitais que não mudaram em nada o mundo. Também não encontro vagas para salvar o mundo, nem para trabalhar em algum projeto que esteja atualmente nessa tentativa. Então o que eu posso fazer? Será que deixar de jogar lixo no chão já resolve?

NÃO, CACETE!

Eu uso boa parte do meu tempo livre (e que agora tem sido bastante rs) para desenvolver ideias e projetos filantrópicos que, tanto me permitam expor muito bem as minhas habilidades profissionais, quanto intencionam salvar o mundo, cada um na sua respectiva escala de impacto.

E se você é da área de marketing, pode aplicar e demonstrar suas habilidades ajudando instituições e iniciativas não lucrativas a melhorarem a promoção da sua imagem.

Se é da área de comunicação, pode prestar serviços ajudando no enriquecimento cultural e difusão de informação em comunidades carentes.

Da área da educação, pode promover aulas gratuitas periódicas, ou desenvolver um método de ensino próprio revolucionário que instrua e capacite pessoas em tempo recorde.

Se é da área da saúde, então pode ajudar pelo menos umas cem pessoas só no seu bairro!

Advogado? Engenheiro? Arquiteto? Assistente social? Contador? Pedreiro? Venham! Há oportunidade pra todos mostrarem a qualidade do seu trabalho.

Deixar Um Legado Melhor:

Sinta-se envergonhado de morrer até que você tenha conseguido alguma vitória para a humanidade. — Horace Mann

Ainda mais importante que divulgar seu trabalho através do exercício gratuito e voluntário dele, você estará deixando um rastro de iniciativa de valor por onde trilhar o seu caminho que incentivará de alguma forma outros à também adotarem. Contribuindo com uma nova cultura de proatividade da comunidade e autonomia do indivíduo.

De uma perspectiva tanto ideológica quanto biológica, para mim, se existe algum sentido na vida, este sentido é deixar para as próximas células, depois de mim, um legado melhor do que aquele que encontrei. E disto se trata a minha contribuição para o grande organismo, Terra.

Se tiver algum pensamento interessante sobre o que eu disse, comente!
Será um prazer saber sua opinião :]

Até +

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Diego Guimarães’s story.