Deu errado

Acredito que todo mundo já tenha ouvido um amigo ou conhecido dizer que os relacionamentos hoje em dia não dão mais certo porque as pessoas não insistem mais, porque qualquer coisinha já estão terminando, que bom mesmo era na época dos nossos avós que os casamentos davam certo e duravam 50, 60 anos, etc e tal.

Mas pera lá, vamos tirar um pouco a visão de que “a época do vizinho é sempre mais verde” e analisar melhor esses cenários.

Mas uma coisa não dá pra negar, os vestidos de noiva eram sensacionais

Minha avó foi uma rara exceção no tempo dela, ela conheceu meu avô, se apaixonou e fugiu com ele pois os pais dela não queriam que ela casasse com ele. Mas todos sabemos que até pouco tempo atrás (e em algumas famílias até hoje) os casamentos eram arranjados, pegavam uma menina de 13 ou 15 anos que nunca saíra de casa praticamente e casavam-na com um homem de seus 20 e poucos.

Se ela tinha oportunidade de estudar estudava pouco, trabalhava as vezes, na maior parte das vezes o marido não deixava, ela era obrigada a viver naquela situação porque mesmo que não gostasse do marido e não fosse feliz o que mais ela ia fazer, ia viver de quê? Quem ia dar emprego pra uma mulher desquitada?

Então era muito fácil casamentos durarem 50 ou 60 ou 75 anos já que uma das partes sempre podia fazer o que bem entendia quando queria, podia “comer” quem quisesse na rua, porque “homem é assim mesmo”, “podia” bater na mulher se ela não obedecesse, tinha tudo sempre do jeito que lhe agradava e a outra parte não tinha como escapar dessa estrutura.

Desculpa por arruinar a sua ideia do que era o casamento dos seus avós.

OBS: claro que há exceções, pra tudo na vida há, então poupe suas reclamações que “Dona Fulana e Seu Ciclano não são assim”

Hoje, por outro lado, as relações duram cada vez menos, a cada ano sobem os índices de divórcio nos primeiros anos do casamento, tivemos separações históricas recentemente como William Bonner e Fátima Bernardes que fizeram toda a internet pt-BR desacreditar no amor e isso é visto normalmente como algo ruim, porque nós ainda temos o maldito ideal Disney do “felizes para sempre” na p#$%¨ da cabeça.

NÃO EXISTE ISSO

O que a gente precisa entender é que nada é pra sempre. Sim existem casos de pessoas que se encontram na escola, se apaixonam e se amam e são felizes até morrerem, mas (in)felizmente isso não é pra todo mundo. A maior parte das pessoas vai experimentar separações ao longo da vida, seja uma, duas, 15 ou 50.

Acham ruim que as pessoas tenham namoros que não duram 3 ou 5 anos, que “esses jovens não querem saber de compromisso”, que todo mundo só quer saber de “se pegar”, de “ficar”.

Mas pensa comigo, você conhece alguém, acha legal, se encanta, se apaixona, quer ver todo dia, quer dormir agarrado, transar loucamente porque a química de vocês é excelente e assim nasce um relacionamento, e você vai convivendo com a pessoa, conhecendo melhor, os “óculos da paixão” somem e você vai descobrindo coisas fantásticas sobre a pessoa, mas também vai descobrindo defeitos, normal, todo mundo tem e na verdade conhecer as falhas do outro te faz se apaixonar ainda mais.

~o tempo vai passando

Até que chega um domingo a noite que você queria estar vendo Rick and Morty (I’M PICKLE RICK!!!) mas está num jantar da família dele/dela e você se pega colocando as coisas na balança, e a situação se repete e você vai colocando mais coisas na balança, e cada vez mais coisa pende pro lado de que aquela relação não está te fazendo bem. Você vai continuar lá pra quê?

A sua avó não tinha escolha, você tem.

Se alguma coisa eu tenho achado que as pessoas tem insistido demais em relações falidas, e aí que nasce o ressentimento, a mágoa, que some o afeto, o respeito. É insistindo além da conta que a gente vai se machucando mais do que deveria e vai culpando o outro pelas nossas feridas e o outro culpando a gente pelas deles, não dá pra evitar esse processo de troca de feridas enquanto você insiste em algo que nunca vai ter um “felizes para sempre”, porque você vai se matando aos pouquinhos, fazendo o que não queria fazer, engolindo sapos, se frustrando…

As relações tem um “ponto ótimo” de término, aquele momento onde os dois podem sentar e conversar como pessoas maduras e independentes e entender que um dos lados ou mesmo ambos não estão mais tão felizes e que tem chances muito maiores de serem muito mais felizes se seguirem caminhos separados. Antes que surjam mágoas, antes que o amor vire rancor, antes que você tenha que se arrumar chorando pra ir encontrar o outro/outra, antes que você vá dormir chorando porque não sabe o que tá errado com vocês.

Estamos tomando caminhos separados, e tá tudo bem

E isso em momento algum quer dizer que a relação de vocês deu errado

ELA DEU MUITO CERTO

por um período finito

Like what you read? Give Diego Squinello a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.