Obrigado por fumar

Eu nunca vi esse filme, apesar de todo mundo falar que é muito bom, mas tem tantos outros filmes muito bons que eu não vi que esse acaba sendo só mais um.

Desde que o mundo é mundo que o ser humano dá um jeito de ficar doidão, inventa maneiras de mexer com a química do cérebro pra sentir coisas diferentes, pra transcender a corporeidade e a razão. Seja em rituais pré-históricos no crescente fértil ou em cafés da Amsterdã contemporânea.

Dentre as inúmeras fontes naturais de entorpecentes, plantas, cogumelos, animais, quero falar aqui talvez da mais popular delas e mais comumente utilizada, o tabaco.

(Pra você que não sabe o Brasão de Armas da República Federativa do Brasil tem um ramo de folhas de tabaco, do lado direito (e de café do esquerdo) uma vez que o produto tinha grande importância econômica na época da fundação da República e até hoje o Brasil é um dos maiores produtores mundiais da planta.)

O principal princípio ativo da folha, a nicotina, age no cérebro imitando a acetilcolina, um neurotransmissor que entre um monte de outras coisas é responsável por liberar dopamina que é responsável pela sensação de prazer e recompensa, você pode entender melhor esse funcionamento aqui.

Eu sempre achei charmoso

Além da ancestralidade do uso do fumo, ainda temos alguma carga da propaganda do Século XX, retratando o hábito de fumar como algo glamouroso para as mulheres com suas longas piteiras e vestidos sensuais vermelhos e masculino para os homens com a icônica figura do Cowboy fumando seu Marlboro.

E graças a essa pressão publicitária desde o início do século até a década de 1980 o hábito de fumar era generalizado na sociedade, sendo amplamente aceito em todos os tipos de estabelecimentos, de restaurantes a aviões, sendo reduzido depois de 1990 com a intensificação das campanhas estatais contra o tabagismo devido à sua reiterada relação com uma série de doenças incluindo diversos tipos de câncer.

“no período entre 1990 e 2015, a porcentagem de fumantes diários no País caiu de 29% para 12% entre homens e de 19% para 8% entre mulheres.”
Fonte

Apesar de o consumo de tabaco ter caído nos últimos anos, a crescente proliferação de doenças psicológicas como depressão e ansiedade no mesmo período, principalmente entre a população jovem, acredito que esteja havendo uma retomada no crescimento do número de fumantes, digo isso de vivência, de observar a galera nos rolês da vida, mas não tenho nenhum dado científico para embasar e se alguma coisa eu quero é estar errado.

E é justamente neste contexto que eu quero abordar uma ideia que me ocorreu um tempo desses de que o cigarro seja uma metáfora interessante da vida, principalmente para a minha geração, a geração do desgraçamento mental. Vejamos:

O Cigarro acaba e rápido, se queima e não volta mais, a vida também

O Cigarro faz mal à saúde, quanto mais tempo se consome pior o cenário, a vida também.

O cigarro traz um prazer momentâneo, um relaxamento fugaz, mas que logo é suplantado por sentimentos diversos desde a culpa até o gosto ruim na boca, a vida também.

A fumaça do cigarro incomoda algumas pessoas, a vida da gente as vezes incomoda algumas pessoas também.

E no fim das contas, como cansamos de ouvir, o cigarro mata.

E a vida também.

Cada cigarro fumado diminui 11 minutos da sua vida.

Principalmente se essa vida é vivida do jeito que a gente tem se acostumado a viver, com pressa, sem muito sentido, sem saber direito onde quer chegar, sendo fumados todos os dias pela máquina do capitalismo, sendo tragados pelos pulmões das pressões sociais, tendo nossas cinzas (nossa história) batidas no chão, pisadas e sopradas pelo vento dos dias infelizes, e por fim sendo esmagados contra o frio cinzeiro do esquecimento e jogados no lixo da história como uma geração de perdidos, que não fez nada direito.

To tentando pensar em uma mensagem motivacional aqui pra esse final, mas o dia hoje foi punk, então acho que vai ficar sem mesmo. Vou terminar com uma ideia muito absurda:

O ser humano faz mal pra Terra, o cigarro faz mal pro ser humano, logo o cigarro faz bem pra Terra.

Só acho que talvez ele demore demais pra fazer efeito.

Parem de fumar
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.