Seis (cômicas e trágicas) dicas para lidar com um relacionamento

É difícil estar em um relacionamento. Pense bem antes de entrar em um! 
Se entrar, saiba lidar com isso seguindo estas incríveis dicas pensadas durante o banho num dia frio de julho.
Ou não siga.
Tanto faz.
A maior das dicas estará no final deste artigo. Good luck!
 
1. Seja realista
Tenha em mente que, definitivamente, nada é perfeito e tudo acaba. Um relacionamento tem incontáveis coisas boas, mas também tem muitas coisas ruins. Você vai sofrer, chorar, entrar em desespero, sentir vontade de acabar tudo e ir embora (e pode ser que até faça isso!) muitas vezes, sim! Quando dizem que quem te ama de verdade não te faz derramar uma lágrima estão mentindo, pois é normal que tenhamos altos e baixos em qualquer situação da vida, especialmente num relacionamento.
A pessoa irá te decepcionar em alguns momentos, fará coisas opostas ao que você esperava e te deixará sofrendo. Ela não irá se importar, vai dolorosamente te ignorar e agir de inúmeros jeitos cruéis. Isso vai te ferir cada vez mais, mas é normal! E pode, inclusive, te fazer pensar “até que ponto eu também tenho culpa nisso?” e te impulsionar a mudar algumas coisas em si mesmo e na relação em geral.
 
2. Pense no que quer
Tente expressar de alguma maneira o que sente pela pessoa e deixe isso bem claro na sua mente. Coloque na balança alguns itens como até onde você iria por esta relação; o que faria e o que não faria para permanecerem juntos; quais coisas são imperdoáveis e quais podem ser suportadas; quais defeitos podem ser mudados pelo bem do casal; num momento de crise, quais atitudes poderiam ser tomadas para contornar a situação. Pese também o quanto você acha que é recíproco o que a pessoa sente; se isso é devidamente demonstrado; se ela faz pouco ou muito caso do relacionamento; se você, em algum momento, não está na relação sozinho, etc.
Dê grande destaque para as suas conclusões, e deixe numa área de segurança tudo o que absorveu pra não esquecer. Nos momentos de tensão é isso que deve te fortalecer, e se em alguma hora perceber que cometeu um erro e/ou que não é mais isso que quer, repense tudo com calma e coloque um ponto final. Sem sentimento não há possibilidades de seguir em frente com algo.
 
3. Tenha (a santa) paciência
Depois de ter definido bem seus sentimentos, conheça a parte trabalhosa: a paciência. Ela serve para você se dar bem em quase todos os momentos vividos, e é imprescindível para uma relação dar certo. Se você naturalmente for uma pessoa paciente, ótimo; mas, se não, pode tentar regular sua paciência conforme a intensidade do que sente ou a situação. Você precisará dela for ignorado (vulgo “deixado no vácuo no whatsapp”), deixado pra trás (ou “baterem a porta na sua cara”), tiver escutado/lido o que não quer (os famosos compromissos desmarcados, os “bolos”), não tiver suas expectativas correspondidas (o “ok” depois do seu textão), durante e após uma discussão ou briga (quando o “nunca mais vou falar com você” surge milhões de vezes), dentre outros.
Lembre-se sempre, então, de respirar, contar até dez (ou mil trezentos e noventa e dois), relembrar das coisas boas que te cercam e só assim poderá ir pra resolução do problema. A paciência anda de mãos dadas com a prudência, e pessoas com cabeça boa sabem administrá-la bem para não agir com impulsividade em nenhuma situação.
 
4. Prefira o diálogo — a parte teórica
Conversar sempre foi a forma mais fácil, prática e madura de resolver assuntos. Portanto, opte sempre pelo diálogo em vez de erguer a voz, brigar por pouca coisa ou, até mesmo, partir pra violência. Não ignore também; não deixe para amanhã, não finja que o problema não existe, não aja como se não se importasse. Se existiu um conflito, houve um motivo — normalmente de muita importância — que deve ser solucionado o mais rápido possível. Precipitação nunca resolveu as coisas, então o melhor a fazer é esfriar a cabeça e planejar uma boa conversa. Faça uma lista do que te incomoda, crie hipóteses e maneiras de acabar bem a história. Na hora, fale e ouça na mesma proporção. Procure a saída. Conserte. Tudo em tons de voz normais, gestos nada agressivos e palavras muito bem escolhidas.
 
5. Não adie uma conversa — a parte prática
Ainda que falar não seja o seu forte, não há formas melhores de conciliações. O maior motivo de términos de relacionamentos é o desentendimento, aquela velha história de deixar acumular numa bola de fogo todas as mágoas e chateações, até que chega num momento em que nenhuma das partes fala em outra coisa a não ser isso. É bom resolver o problema, e deve ser feito sempre. Se ainda há vontade de permanecer dentro da relação, tem-se que lutar pelo que quer, correr atrás e não deixar de lado um assunto importante a ser tratado.
Se não consegue conversar no momento, peça um tempo pra se acalmar — mas determine qual é… Meia hora, uma hora, um dia, tanto faz. Assegure a outra pessoa que irá voltar para tentar mudar o cenário e não a faça esperar muito: volte mesmo e mostre que está com disposição para ficar numa boa.
Caso realmente não consiga conversar e esclarecer a situação, substitua-a por outra coisa que possa agradar ambas as partes. Desculpe-se (mesmo que não tenha culpa de nada), fale palavras doces e convincentes que tragam calma, convide a pessoa para sair dar um passeio, fazer compras, comer em algum lugar diferente, assistir um filme… Qualquer coisa que jogue fora a nuvem negra de tudo o que aconteceu e mude o foco para algo que possa trazer alegria e tranquilidade.
 
6. Demonstre
Demonstrar o que sente é uma tarefa difícil para quase todas as pessoas, mas é necessário. Uma pessoa que não se sente amada, acolhida, protegida, desejada ou querida vai embora muito rápido a procura de alguém (ou algo) que dê tudo isso a ela. Há diversas maneiras de demonstrar um sentimento, e isso pode ser moldado conforme a personalidade de cada um e o relacionamento que levam.
Algumas pessoas gostam de palavras, outras desprezam isso e só querem atitudes; muitas apreciam as duas coisas combinadas, ou então detalhes quase imperceptíveis que fazem toda a diferença no dia a dia. Independente do jeito, o importante (fundamental) é fazer um esforço e (re)conquistar a pessoa todos os dias. É um problema a menos, uma insegurança a menos, um motivo de discussão a menos e traz muitas recompensas ao longo da relação!
 
E é só! Simples e somente isso!
 
Dica bônus:
FIQUE SOLTEIRO!
(E RICO)
(E VIAJE MUITO)
(E FAÇA SEXO COM ESTRANHOS)
(MAS SEJA SAUDÁVEL)

Like what you read? Give Edilayne Ribeiro a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.