Desmembrando o Jogo: Relembrando a franquia SAW - Parte 3

Chegamos a terceira parte do especial Jogos Mortais (SAW), e vamos englobar os últimos dois filmes antes do “Capitulo Final” da serie.

Com Jonh Kramer morto e a revelação de que Hoffman é o único sobrevivente do legado de JigSaw, perguntas devem ser respondidas, numa época muitos fãs estavam meio de lado com a serie pro causa da sensação de que estava indo a lugar nenhum. Mas o quinto filme tem as minhas armadilhas preferidas da serie (por voltar a um padrão mais básico e BEM menos exagerado que algumas do IV) e trazer um pouco da tensão policial dos envolvidos, apesar de que por causa disso a serie tenha perdido um pouco de sua personalidade. É o caso de ser o pior mas não necessariamente ser um filme ruim. Curiosidade, o filme foi dirigido por David Hackl, que foi o design de produção dos Jogos Mortais do 2 ao 4.

No quinto filme começamos aonde de certo modo o 4° acabou, com o agente Strahm (Scott Patterson) preso no “quarto dos mortos”, mas achando uma saída. Após ser pego de surpresa, ele acaba parando numa armadilha onde sua cabeça está dentro de uma caixa onde será enchida com água. Para a infelicidade de Hoffman (Costas Mandylor), que pensava que tinha eliminado todos em seu caminho, ele descobre que por muito pouco o agente sobrevive. Mas Hoffman está curtindo a fama de herói perante a sociedade, enquanto Strahm é afastado do caso “recém-encerrado” de Jigsaw.

Mas descobre-se que outro jogo está rolando, relacionados a pessoas que foram culpadas ou testemunhas de um incêndio que matou 8 pessoas do qual nada foi feito. Enquanto isso descobrimos como Hoffman e Jonh Kramer se conheceram, e como Hoffman foi fundamental para que o trabalho de Jigsaw desse certo. Ao descobrir que Hoffman roubou todas as glorias que deveriam ter sido suas, Strahm se descontrola, mas sua própria raiva e falta de confiança em Hoffman faz que sua morte seja extremamente dolorosa e que toda a culpa de ser o “sucessor de Jigsaw” caia sobre ele. Hoffman ainda continua vencedor, a agora mais intocável do que nunca. Mas é o que ele pensa…Kramer deixou a sua ex-esposa Jill (Betsy Russell) uma caixa cujo conteúdo é misterioso, mas tem ligação principal com os acontecimentos de Saw VI.

Se o quinto filme decepciona, SAW 6 é a volta da serie a tempos áureos, não só porque ele preenche os furos que estavam soltos a um bom tempo, mas também porque tem uma boa história e dá sentido para todos os acontecimentos e sequências desde o terceiro filme. Kevin Greutert, depois de anos editando os filmes, acaba na cadeira de diretor.

Começamos com uma armadilha da balança, do qual pessoas cortavam pedaços de seus corpos para poder sobreviver. Hoffman espalhou as digitas de Strahm por todo lado, para manter as aparências de que ele era o aprendiz de JigSaw. Enquanto isso, Jill abre a caixa e vê 6 envelopes, respectivamente 6 jogos e uma fita de vídeo. Entregando uma fita de vídeo para o hospital (pistas para o sétimo filme) e 5 envelopes para Hoffman, o novo jogo deixado por Kramer consiste em dar uma lição de moral em William Easton (Peter Outerbridge), antigo amigo de Jigsaw e vendedor de seguros com uma didática bem severa, sempre visando o lucro e não a saúde das pessoas, botando Kramer e Easton em conflito quando Jonh descobre seu câncer. Mas o cerco se fecha a Hoffman quando descobre que a agente Lindsey Perez (Athena Karkanis) está viva e a investigação começa a se aprofundar ainda mais.

E em flashbacks, vemos mais da presença de Jill no primeiros filmes e a real importância de Amanda (Shawnee Smith) na historia de Jogos Mortais. Amanda estava junto com o homem que tirou o bebê de Jill, e a razão dela jogar o jogo não é só porque ela merecia uma segunda chance do ponto de vista dela, mas também de Jigsaw, que acredito que saiba implicitamente que ela estava lá. Dá pra perceber que Amanda ficava extremamente abalada perto de Jill, e o descontrole mental dela a partir da misteriosa carta escrita por Hoffman é revelado: uma chantagem para que Hoffman fizesse ela jogar o seu jogo, já que ele sabia que ela estava no momento que a vida de Jonh desmoronou e não fez nada para ajuda-lo, e ameaça contar para ele. Por isso ela age daquela maneira no fim do terceiro filme,e tudo mais a frente começa a fazer sentido e dando uma ótima recompensa a quem acompanhou a história até aqui.

No final das contas, Hoffman mata todos os policias envolvidos que descobriram a verdade sobre ele e vai embora acompanhar como anda o jogo de Willian. Will chega ao final para descobrir que ele não era testado, mas sim o teste para a família de uma das pessoas que ele deixou morrer por causa de dinheiro do qual Kramer foi testemunha. E numa das mortes mais legais da serie, ele é derretido em acido com suas tripas espalhadas pelo chão. Mas no fim Hoffman também é testado, dessa vez por Jill, dona do misterioso 6° envelope, num jogo preparado por Jigsaw com a clássica armadilha do urso. E com uma pequena trapaça, Hoffman sobrevive, mas não sem cicatrizes.

Nesse ponto podemos fazer uma comparação Hoffman vs Amanda. Amanda tem o prazer de matar por matar, sem motivo, sem salvação. Dada aos seus problemas psicológicos ela vê isso como terapia para diminuir a sua dor. Hoffman é diferente, ele gosta de punir “os caras maus” (normalmente criminosos,ex-criminosos e omissos perante um crime) e não tem nenhum escrúpulo para que seu plano saia perfeito. Ambos são parte de Jigsaw, mas sem o respeito pela vida que John tem. Tanto que você parar e analisar, os três filmes as vitimas principais foram médicos e ex-pacientes de clinicas, e seus respectivos envolvidos, enquanto o 4° e 5 filme envolvem ex-criminosos, e no sexto filme é tudo levado pro lado pessoal, tanto que John Kramer mostra a cara no vídeo no lugar do boneco.

Na próxima parte: O FINAL!


Originally published at caveabovethemansion.blogspot.com by Diogo Oliveira.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Diogo Oliveira’s story.