Review: Megamind 3D (2010)

Quando nasce um vilão? Porque ele se torna mal e começa a ameaçar as pessoas? Tudo na vida pode ser tão preto e branco assim? A Dreamworks Animation está aos poucos se livrando da cara de “apenas filmes divertidos” e tentado se diversificar e se aprofundar nas suas historias. Kung Fu Panda, por exemplo, tem as piadinhas de praxe, mas uma historia enxuta e cenas de ação maravilhosamente coreografadas, assim como seu melhor filme até então “Como Treinar Seu Dragão”. Como o estúdio se saiu com Megamente?

Megamente, originalmente conhecido como Oobermind, é o único sobrevivente do seu planeta natal, do qual quadrante inteiro foi engolido por um buraco negro. Mas um outro cientista, de outro planeta também engolido pelo buraco negro, enviou o seu filho “perfeito”” também num foguete para ser salvo da destruição. Ambos caem na terra, mas enquanto o futuro vilão a ser conhecido como Megamente (Will Ferrel) cai numa cadeia, o herói a ser conhecido como MetroMan (Brad Pitt) cai numa mansão de bilionários. Anos depois, cada um na sua posição de arqui-inimigos, eles se enfrentam naquilo que será sua ultima batalha, já que surpreendentemente Megamente mata seu rival e domina a cidade.

Com a cidade dominada, muitos ficam tristes, incluindo o flerte de MetroMan e repórter da cidade, Roxanne Ritchi (Tina Fey), unica pessoa que fica contra o novo reinado do vilão. Mas Megamente está deprimido, já que com seu inimigo morto e a cidade dominada, ele fica sem objetivos na vida. Junto com seu velho companheiro de crimes (David Cross) eles decidem criar um novo herói, que acaba sendo o câmera-man apaixonado por Roxanne, que se torna o Titã (Jonah Hill). Mas Titã fica descontrolado e Megamente se vê na posição de ser o herói da vez.

O filme pega do exemplo clássico formado pelo Superman para contar a historia, afinal o esquema utilizado ali não funciona pra todos os supervilões do planeta. A ideia do filme é que, assim como a vida real, nem tudo é preto no branco, e que podemos ser o que quisermos. Os vilões do filme ficam assim por dois motivos principais: não se encaixam com a considerada “sociedade perfeita” e que não tiveram oportunidade de mostram o quanto são bons. Isso vai deixa-los com a unica opção de serem maus, mais por tentar obter o respeito nunca adquirido do que planos de dominação global e etc.

E assim como falei que o exemplo não pode ser utilizado para todos os vilões, o próprio filme mostra o contrario dizendo que o exemplo do Megamente não pode ser utilizado para todos os heróis. Titã sempre foi egoísta e mesquinho, e com os super poderes, isso amplificou ainda mais. Já Megamente, que passou a demonstrar um lado bom disfarçado de Bernard (Ben Stiller), percebe que cometeu um erro e tem medo de dar um passo adiante sobre carregar a responsabilidade de ser um herói de fato.

O filme todo carrega a ideia de que os peso do mundo está mal distribuído entre os heróis e vilões, e que podemos ser o que quisermos, pois aquilo que nos transforma em clichês do que seja bom ou mal é a sensação de controle que o mundo externo tem sobre a gente, e não ao contrario. Só nos tornamos felizes plenamente quando nos conhecemos melhor.

Tom McGrath, que dirigiu Madagascar 1 e 2, trás um filme leve e divertido, que mesmo com as piadinhas que fazem a má fama do estúdio, não chega a destruir a graça e o divertimento desses momentos, e sendo sim uma peça importante no amadurecimento das tramas do estúdio. Varias citações a outros heróis, seja dos games ou até do cinema estão presentes, assim como o 3D funciona muito melhor com animações. A trilha sonora tem heavy metal, também é um destaque.

Mas a comparação inevitável com Os Incríveis nos leva a pergunta: seria Megamente o lado oposto do filme da Pixar? E é, mas falando positivamente. Se Os Incríveis mostra o lado das pessoas relembrando ser heróis, Megamente mostra vilões (e heróis) tendo a oportunidade de serem pessoas, e tendo finalmente oportunidade sobre aquilo que podem salvar: não a cidade, nem a mocinha, mas seu próprio papel no mundo.

Originally published at caveabovethemansion.blogspot.com by Diogo Oliveira.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.