Carga Mental: O Que é e Como Dividí-la:

A carga mental é um termo criado para explicar a pressão que as mulheres sofrem por ter que pensar em muitas tarefas ao mesmo tempo. Ela se manifesta nos mais diversos contextos sociais, mas é principalmente pesada para mulheres que trabalham fora, tem filhos pequenos e precisam cuidar da casa.

Esse termo foi usado pela primeira vez em 1996, pela socióloga Susan Walzer, em seu estudo entitulado “Thiking About The Baby”, que em tradução livre para o português significa “Pensando no Bebê”.

Nesse estudo, a socióloga entrevistou 23 mulheres que haviam tido bebês nos últimos 12 meses, investigando como as mulheres se sentiam ao assumir o peso da criação e educação do filho, além de manter a casa em ordem, seja física ou emocionalmente.

Susan Walzer constatou que as mulheres se preocupam, delegam e organizam mais do que seus parceiros e, mesmo quando as tarefas são divididas por igual com o parceiro, elas ainda precisam se preocupar em delegar e verificar se foi feito.

Essa questão viralizou muito rápido na Europa, principalmente na França, quando Ellen Seidman, mãe de três filhos, criou uma série de quadrinhos que explicava a quantidade de coisas que ela tinha que se preocupar em sua rotina. Na maior parte das vezes, são coisas básicas, como lembrar de comprar uma pasta de dente nova, mas que geralmente são preocupações femininas.

Abaixo reproduzimos os primeiros quadrinhos da artista:

Como percebemos nos quadrinhos, é comum as pessoas não se darem conta de que nós precisamos de ajuda ao executar muitas tarefas. A verdade é que, muitas vezes, nem nós mesmas percebemos, pois estamos muito envolvidas nas atividades que precisam ser feitas. Por isso, a autoconsciência é muito importante: agora que você atribuiu um nome a esse sentimento que é a carga emocional, você pode se apossar dele e dividí-lo com outras pessoas.

Mas como dividir a carga mental?

Isabelle Nicolas, terapeuta de casais, falou ao jornal espanhol Aleteia sobre a importância de respeitar o espaço do outro. Segundo a terapeuta, muitos homens reclamam que fazem as tarefas domésticas, mas são repreendidos por não fazê-las corretamente. Nesse caso, é necessário empatia: “Um casal são dois adultos que criam um sistema. Nada vai espontaneamente para seu lugar. Se um espera que as coisas se organizem sozinhas, o que não acontece, o outro acaba tendo que fazer tudo sozinho. É necessário decidir dividir a carga mental entre o marido e mulher, fazendo com que cada um seja responsável por um setor”.

Será que seu parceiro tem consciência da sua carga mental?

Como indica a terapeuta, a comunicação é a chave para resolver as situações desconfortáveis da rotina. Se você sente que passa por isso, que tal escolher um momento descontraído de vocês dois para abordar o assunto? Explique como você se sente usando exemplos, informando o quanto você se compromete com as tarefas diárias e peça a opinião do seu companheiro(a) sobre a execução delas. Divida a responsabilidade de escolher o que fazer. Dessa forma, mais do que delegar tarefas, vocês constroem uma rotina. Com certeza você estará fazendo seu papel para cultivar uma convivência muito mais harmoniosa e menos pesada para você.

E você, como está a sua carga mental? Compartilhe sua história com a gente nos comentários :)