Como seria se toda mulher criasse seu próprio manual?

Dicas para fazer um bom sexo oral numa mulher.

Calma.

Vai com calma, pelo amor de Deus. Pelo menos no início, ok?
Se você já chegou até aqui, tá tudo dominado. Aprecie a vista.

Vá pelas beiradas, respira. Use suas mãos para abrir os grandes lábios, dê uma lambida bem delícia neles, por fora e por dentro. Faz de conta que vai lamber o clitóris, mas não lam-be. Pode me deixar contorcida de vontade, eu não ligo.

Lambe por fora mesmo, a virilha, a bunda e para quem tem coragem: o cu. Passa de leve o nariz e o queixo por mim, enquanto respira pela boca. Mas faz tudo isso com vontade, tá? É o tesão que tem que conduzir tudo isso aí, senão eu vou perceber.

Na hora que você perceber que eu não aguento mais e que você precisa chupar meu clitóris não venha com a boca toda babada pra cima não. Aproveita que eu já devo estar molhada e vem lá debaixo puxando minha própria lubrificação pra cima.

E não vem com a língua louca e dura! Nem com uma língua muito molenga. Tem que ser uma língua esperta, sabe? Aquela língua de beijo, quando você vai buscar a língua do outro lá dentro da boca dele, mas com gentileza. Uma língua que sabe se encaixar. E não precisa ficar com ela frenética (esqueça aqueles movimentos dos filmes pornôs, eles não dão tesão nenhum!). Faz um vai e vem com calma, como se a gente tivesse se esfregando. Depois circula.

Faça pausas. Pausas são ótimas pro clitóris dar uma respirada e ter tempo de querer mais.

E não esqueça o resto do corpo nesse momento. Minha tendência é a de começar a fantasiar mil coisas enquanto estou sendo chupada, então, quanto mais você mexer comigo, maior a chance de eu estar contigo nesse momento. Vale arranhar a barriga, apertar os peitos, me dar seu dedo pra eu chupar, dar umas lambidas na parte de dentro das coxas, abrir mais minhas pernas ou levantá-las lá para o alto, falar que gosta do meu cheiro e do meu gosto (se isso for verdade, obviamente) e qualquer outro movimento que me tire um pouco do eixo.

Ritmo.
Se eu gemer você precisa continuar do jeito que está. Tenta. Mas é importante conseguir distinguir quando é um gemido verdadeiro, porque mulheres às vezes gemem sem estarem sentindo nada também.

Mas dá pra saber, com a prática, quando está bom de verdade. Sacando isso, você continua e eu vou sentir que o tesão chegou mesmo.

Isso tudo faz parte do aquecimento. E você pode dar uma floreada nesse aquecimento. Por exemplo, pode adicionar o bom e velho gelo, do seu drink que deve estar do lado da cama (ir até a cozinha buscar é coisa de begginner que acabou de descobrir o gelo). Mas não bota o gelo direto no clitóris! Chupar o gelo e vir com sua a língua gelada já é o suficiente. Ou você pode também só segurar o gelo e deixar as gotas dele cairem da sua mão, dar tempo delas escorrerem por mim e depois ir chupando cada uma delas, também funciona. Halls preto tem efeito similar.

Ah! Lembrei de outra coisa que é boa também. Pode trazer minha mão para baixo, bem pra perto do meu clitóris e enquanto vai me chupando, chupa também meus dedos e dá umas lambidas entre eles. Essa ideia eu tive a partir de uma cena do filme Don Juan em que o Jonny Deep lambe entre os dedos da mulher no restaurante e na cena seguinte eles estão trepando loucamente. Logo depois que assisti lambi entre meus dedos e vi que era bom mesmo, pode fazer.

Aliás, lamber qualquer dobrinha é bom, sabia? Atrás dos joelhos, atrás do cotovelo e até o suvaco. Todo lugar onde houver pele mais fina, pode ir com a língua por lá!

Bom, mas aí finalizamos a parte calma do negócio. O tesão deu mesmo as caras e precisamos mudar um pouco o esquema de agora em diante. Chega uma hora que o ritmo TEM que aumentar senão a gente não goza! Ou demoramos duas horas pra gozar.

Então, logo que perceber que eu embarquei na tua, tá na hora de colocar o dedo dentro.

Mas coloca o dedo pra preencher mesmo, misturando uma vontade louca de me comer com uma certa gentileza de quem sabe o que faz. Pode começar enfiando o dedo num vai e vem, pois esse tesão da penetração é algo a ser celebrado. E em seguida começa a fazer um movimento de vem cá com o dedo, pode parecer estranho, mas faz que eu vou, tem espaço para isso.

Rola fazer uns movimentos circulares também. Tipo, enfia bem o dedo dentro e num movimento de quem quer preencher a vagina toda vai circulando por dentro de mim toda. Sem parar de chupar ali por fora, hein?

E nesse momento quanto mais eu souber do seu tesão por mim me chupando, mais delícia vai ser.

E como é que eu sei do seu tesão por mim?
Você vai estar se esfregando na cama também, vai estar respirando forte enquanto me chupa, vai passar o nariz e o queixo com vontade, se lambuzar mesmo. Vai falar que quer me ver gozar. Falar qualquer outra coisa menos ficar mud@ e parad@ enquanto me chupa. Isso eu sei que também depende de mim, mas esse texto não é sobre isso.

Aí é meter o dedo e a língua com intensidade. Nada de língua dura! Língua forte só (difícil fazer essa distinção), mas tenta. Imagina que você está beijando uma boca mesmo, como você deixa sua língua quando está beijando? É assim que ela tem que ficar.

E se eu começar a gemer alto, não muda de lugar, não muda! Não pára, não pára pelo amor de Deus, só se seu dedo estiver necrosando, quase caindo mesmo. Se doer a língua continua com o queixo, nesse momento eu já não tô mais distinguindo tanto as coisas só preciso que a ação continue por ali.

Não deve demorar muito para você ver acontecer na sua frente a oitava maravilha do mundo.
Uma mulher explodindo de tesão.
Quão foda é isso? Uma mulher livre, gozando?
Eu acho demais. É uma cena da qual não me canso e acho que vale todo o esforço.

E agora, como você sabe que gozamos de verdade e não fingimos? Você vai sentir que seu dedo ficou “preso” enquanto estivermos gozando. A vagina se contrai toda na hora do orgasmo.

Se isso não aconteceu, é porque a moça fingiu (eu nunca fingiria), aí tudo bem, você tenta na próxima, porque ela não terá fingido à tôa. Deve ser porque pra ela já deu mesmo.

Fim.

Não sei se essas são dicas que funcionam com todo mundo, mas funcionam bem para mim.

Como seria se toda mulher criasse seu próprio manual?

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Divã poético’s story.