Eu entro numas brisa quando penso em mim como mãe…

Dai eu tava bem bad e sabe,uma das coisas que eu não superei ainda foi não ter conseguido concretizar meus desejos, coisas simples, mas não rolou. 
 Lembro bem da gestação, estudei muiiiito sobre partos e como me defender caso rolasse uma V.O*. Eu lia tudo nos grupos, conversava com muita mina sobre, queria uma doula, queria ficar em casa até os 6/7 dedos de dilatação. Affs, era tudo tão lindo.
 Por um tempo eu quase cai em mim, eu não tinha um carro, a maternidade era relativamente longe, eu precisava de PN* por eu ser obesa (menos perigoso), eu não tinha o pai da criança do meu lado como eu queria.
 Todo mundo dizia que eu tava louca, que isso não daria certo,que era melhor eu desistir. E eles não estavam totalmente errados.
 Eu fiz muitos planos de parto, nenhum deles eu inclui o convênio. Eu cheguei as minhas 40 semanas cheia de sonho, sozinha. Eu tava uma pilha, o medo do bebê não mudar o pai, o medo do que as pessoas falavam, o pavor que multiplicou em mim pela Cesária. 
 Lembro quando cheguei e quando sai daquele hospital. Cheguei contente, com medo. Aceitei a ocitocina (menos um sonho), aceitei o rompimento da bolsa. Não escapei da Cesária .
 Isso dói tanto e eu ,até hoje, não sei porque…
 Foi ali,bem as 23 hrs que eu me senti um lixo, impotente ;sem força pra brigar pelo o que eu queria. Tudo que eu tinha estudado sumiu.
 Eu entrei naquela sala gelada, eu sentei pra tomar a rack e eu juro que eu nem conseguia pensar.
 E o mais dolorido….
 Eu engravidei cedo, eu era (sou) nova, a única coisa que me restava era dar o primeiro beijo na minha filha, era pegar ela pela primeira vez e ter aquele momento, sabe? Eu não sei.
 Foi como se eu tivesse ido retirar um bebê, só acordei com os pontos e olha que loucura. Nem sabia qual bebê era meu. Foi horrível. Eu morri.
 Eu morri de novo quando planejei cuidar de tudo e amamentar em LD*, mas chegava cansada, com sono, querendo dormir a noite toda pra acordar no outro dia pra trabalhar. E de madrugada era só eu e ela .
 Eu, minha cicatriz inflamada, ela e tudo indo embora.
 É muito ruim assumir que o parto foi o momento mais traumático da minha vida.
 Precisamos parar de endeusar um parto humanizado que não vai chegar so com a vontade da “maezinha” na quebrada. Parar de tentar explicar o quanto é bom o LD pra quem é sozinha e mal consegue respirar. 
 Não foi fácil quanto é pra quem me falava, não é pro tanto de mina da quebrada que já sofreu violência obstétrica e ginecológica e ta até hoje odiando o que era pra ser único. 
 Não é fácil superar uma violência obstétrica (até as que ocorreram quando eu pedia ajuda para amamentar)
 Eu prefiro voltar a lembra de eu entrando no hospital e depois de passar uma noite sem chorar.
 Nenhum outro parto pode compensa esse, ele foi o início da maternidade compulsória. Traumático e dolorido.

*LD : amamentação livre demanda
 *VO : violência obstétrica 
 *PN : parto normal

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Daniela Lourenco’s story.