The Execution of Charles

QUEM SÃO ELES

Vi, estarrecido e ressabiado, a fúria da Rede Globo para cima de Temer e Aécio nesta quinta-feira. Não via tanta energia e tanto incentivo ao caos desde a época do impeachment de Dilma. Tudo desenvolvido a partir do que se mostrou como factóide — um suposto arranjo de Temer para manutenção de propina a Cunha que não foi mostrada, efetivamente, em nenhum áudio principal.

Os fatos que foram apresentados neste dia são graves, sim. Há prevaricação clara no comportamento do presidente na gravação de Joesley Batista, mas apenas isso, que pode ser rebatido pela defesa de Temer e dependeria do humor do STF em condená-lo, ou não, seria capaz de tamanho tremor no cenário político? Acho muito difícil.

Brizola dizia que na dúvida, caso a Globo apoiasse algo, se deveria correr para o lado contrário. Não tive Brizola como exemplo de homem público, talvez por influência da própria Globo, mas concordo totalmente com essa idéia.

Existe uma sensação crescente de purgação e imagino que isso venha a trazer um desejo de se ter um executivo puro, ilibado, o que, no campo das suspeitas, tornaria Lula um pária no processo. Isso sem muita dúvida.

Por outro lado, não acredito em um Bolsonaro, como apregoado pelos mínions saltitantes, como representante deste poder invisível — é um homem de muito pouca estatura intelectual, mas vejo isso em Dória — representante da liberalidade econômica completa, dos “brasileiros de bem” e, aparente, francês de alma, o que agrada a elite que alucina sua europeização colonial.

O interessante é que vimos FHC clamando que Dória Jr. e Luciano Huck, vedetes presidenciáveis do momento, representavam o “Novo”. Quem conhece o mínimo de história do PSDB sabe que Aécio era afilhado político de FHC, mas, ao que parece, foi jogado ao leões por este mesmo.

De qualquer modo, seja um ou outro, a corte brasileira — quem quer que ela seja, não aceita o nordestino operário sindicalista no poder, não quer o povo pobre e mal arranjado deste país na cadeira de chefe de estado. Ela quer cabeças, quer estratégias de corredores e ávidos investidores internacionais para uma das maiores oportunidades rentistas do século. Exemplo disso, é a perda imediata do Grupo JBS, que foi construído com recursos do brasileiro BNDES e é o maior processador de carne do mundo, para os Estados Unidos. Sim amigos, a JBS acaba de fazer as malas e se mudar de país.

O que eles, quem quer que sejam, vão fazer contra esse povo pobre é o que me deixa apreensivo. O que vão fazer com o nordestino operário sindicalista, isso sinto dizer, acredito que a história já nos tem mostrado.

Para ler mais sobre outros pontos de vista:

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.