A importância do momento presente

Dentro dos parâmetros do crescimento humano construímos uma imagem mental de nós mesmos, completamente baseada em um condicionamento cultural e natural. Podemos dizer que você possui um ‘eu’ para cada situação. A forma como você se comporta ou se comunica com seus amigos é diferente da forma como você se comporta diante de um professor, um juiz ou até diante de você mesmo quando está sozinho. Como eu disse, existe um tipo de ‘eu’ para cada situação. Por mais que cada ‘eu’ reaja de maneira diferente diante de cada circunstância, eles possuem uma coisa em comum: O momento presente dificilmente existe. Somente o passado e o presente são considerados importante para ele. Isso é extremamente nocivo para nossa vida, pois é desse ponto que nasce as ansiedades e as expectativas, esquecendo completamente o presente. Por isso esse ‘eu’ que conhecemos não pode ser considerado um ‘eu’ verdadeiro. É um falso eu, que está preocupado em manter vivo o passado, porque pensa que sem ele não seríamos ninguém e se projeta no futuro para assegurar a continuação da sua sobrevivência, afim de buscar algum tipo de satisfação por algum escape do presente. “O falso eu basicamente diz: ‘quando isso acontecer um dia vou ficar bem, vou ficar em paz’. Mesmo que haja uma preocupação com a situação atual, não é o presente que ele procura ver, pois ele constrói uma imagem completamente distorcida a partir do passado, ou então reduz o presente ao meio para obter o fim desejado, um fim que sempre consiste em um futuro projetado pela mente. Observe sua mente e verá que é assim que ela funciona. O momento presente tem a chave para a libertação, mas você nunca irá percebê-lo enquanto estiver dominado pela mente. — baseado no livro O Poder do Agora

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.