2018

O que realmente devemos esperar deste ano


Cá estamos denovo trocando as folhinhas atrás de nossas portas, voltando para nossas casas cansados vestidos de branco enquanto os lixeiros já trabalham varrendo as toneladas de nossos lixos sem saberem o que é feriado.

Cá estamos acordando com o ânimo de que algo novo pode ser reinventado, como um batismo que lavasse todos nossos pecados, cheios de planos que provavelmente abandonaremos antes da quarta-feira de cinzas.

Não, não estou sendo pessimista mas é necessário um golpe de realidade para poder sonhar; Ainda somos os mesmos de ontem quando olhamos no espelho e apesar de todos nossos rituais antigos e modernos cheios de crendices, precisamos acordar preparados para a batalha que a vida propõe diariamente vivendo no hoje e nunca no “ano novo” do futuro, naquele que virá.

2017 foi um ano realmente ruim para quem esteve com as antenas captando os sinais do universo: Países com os pêlos eriçados na dança que antecede grandes catástrofes, a economia mundial como um mar revolto subindo e descendo perante a vulnerabilidade política, o Brasil sofrendo na mão de políticos nefastos com a pobre educação política da população que prefere o comodismo de sofrer e ver os seus sofrendo que exigir à força sua liberdade em relação à democracia (esquecemos o nosso mais lindo hino “… ou ficar a pátria livre ou morrer pelo Brasil.”).

A grand realidade é que 2018 é apenas um dia a mais de 2017 e continuamos com todas heranças ruins, sim há esperanças novas mas não se esqueçam, não estamos seguros e nossa vida segue a mesma de antes.

Feliz ano novo!

by DOC´.´