o preconceito vem de carro

Era sexta à noite, dia 16 de outubro. Um grupo de oito amigos, seis homens e duas mulheres, entre héteros, gays e lésbicas, se reuniu próximo ao bairro Santa Tereza, em Belo Horizonte, para aproveitar o início do final de semana. Alguns vinham direto da faculdade. Os outros estavam nos arredores de um dos mais tracionais bairros da cidade. Eles não imaginavam, mesmo se quisessem, o que aconteceria no caminho até o destino final, a Savassi.

Alguns iam de mãos dadas e outros, felizes, conversando e rindo pelas ruas do bairro, como Quimberlita e Mármore, em direção ao Santa Efigênia. Eles passaram num bar de esquina qualquer quando alguns deles perceberam olhares estranhos e cochichos acompanhados de apontamentos. Se reuniram, achando tudo muito estranho, e continuaram a caminhada sem dar muita atenção ao que tinha acontecido.

Seguiram rumo ao centro, já no Santa Efigênia, quando se depararam com a primeira situação constrangedora. Um carro passou e o motorista, apoiado pelos passageiros, gritou:

– Bando de viados!

Os oito se entreolharam e um deles mandou um “tchau” com a mão direita em sinal de que não se importava para a provocação. Mais uma vez ignoraram o ocorrido achando que seria um caso isolado e que a noite ainda prometia, somente, diversão.

Eles passaram pelo Viaduto da Floresta quando um caminhão, em alta velocidade, reduziu. O motorista gritou ofensas ao grupo, porém devido ao barulho da buzina, as palavras não ficaram claras. O tom e a situação indicavam os motivos.

Mais mãos foram dadas e as manifestações dos motoristas contra o grupo permaneceram nos ouvidos dos oito amigos. Os gritos, incansáveis, persistiam em proclamar palavras de ódio. Um dos presentes afirmou que já estava acostumado com esse tipo de coisa e que, com ele, acontecia com muita frequência. Outros dois disseram ser a primeira vez que presenciavam e sentiam na pele a emanação do desrespeito ao próximo.

O grupo subiu a rua da Bahia, no Lourdes, eles precisaram atravessar a rua. Atravessaram. Durante o curto percurso para o outro lado, um carro branco, ocupado por três pessoas, desceu e pôde se ouvir: Saiam da rua, viados. Vamos atropelar!

Esse foi o estopim, quando perceberam que os comentários anteriores, apesar de mais “fracos”, faziam parte de um mesmo contexto de preconceito e intolerância. Os olhares indagavam, sem precisar de palavras, o porquê disso, enquanto mais um ato preconceituoso se apresentava.

Dois deles se encontraram, após terem ido a um bar e cumprido o objetivo de espairecerem, para conversar sobre os flashs de desrespeito. Citaram a “péssima necessidade do ser humano de julgar e generalizar”, se perguntando o que sentiram quando atacaram o grupo com palavras. “Seria um hobbie, uma prática comum, ou somente um momento em que o ódio falou mais alto que a razão?”, pensava um desses dois, parte dos oito. Ainda não conseguiu resposta e teme que ela não venha tão rápido quanto os automóveis que passavam à 70km por hora numa via de 50km.

Três deles ainda estão incomodados. Não entendem as atitudes e, menos ainda, aquela sexta à noite. Eles ainda conversam sobre isso e, pior, veem na internet e na rua as manifestações acontecerem. Vez e outra passam por isso de novo. Se impressionam com o fato de a homofobia, lesbofobia, etc., e o preconceito, seja por qual for o motivo que ele se configure, ainda estarem enraizados em grande parte das pessoas e na sociedade em geral. Se entristecem ao acharem que um mundo livre de ódio possa ser utópico demais.

Havia héteros, lésbicas e homossexuais entre os oito. Havia mulheres. Homens. Havia gente. Gente como eu. Você.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.