A vontade do Pai pra sempre e agora (parte 2)

Prosseguindo com nossa reflexão sobre a vontade de Deus para as nossas vidas, falaremos agora sobre o quanto temos hoje semeado em relação ao amanhã, o quanto nosso hoje com Deus muda, atrapalha, constrói ou frustra (?) o nosso futuro com Ele.

Vivemos hoje o resultado das nossas orações de algum tempo atrás e viveremos no futuro o resultado das orações ou da ausência das orações de hoje.

O desejo de agradar a Deus através de uma vida missional (voltada integralmente ao propósito de ser e fazer discípulos de Jesus) pressupõe/impõe uma semeadura de renúncias diárias hoje, na qual a vida com Deus — intimidade, relacionamento com Cristo — não é encarado como algo opcional ou transferível.

Assumimos então a renúncia. Pagamos o preço. Carregamos a cruz. Não escamoteamos nossas responsabilidades. Não perdemos tempo divagando com interesses que não nos apontam para o propósito no qual cremos.

“Por essa causa também sofro, mas não me envergonho, porque sei em quem tenho crido e estou bem certo de que ele é poderoso para guardar o que lhe confiei até aquele dia” (2 Timóteo 1.12)

Confiando em quem temos crido, naquEle que “nos salvou e nos chamou com uma santa vocação” (2 Timóteo 1.9), prosseguimos firmando no hoje as bases do amanhã com Deus.

  • Reavaliamos nossa vida de oração e nos comprometemos em orar intencionalmente quanto aos propósitos do Pai.
  • Nos comprometemos em viver baseados no que a Palavra nos ensina hoje! Não adiando a prática dos ensinos de Jesus; mas militando diariamente pra ter uma vida em resposta ao que lemos na Bíblia.
  • Vivemos o compromisso de discipular e cuidar de vidas hoje — com a bagagem que julgamos frágil, mesmo inseguros, mas perseverando em orar e confiar em 2 Pedro 1.3

Ser direcionado para uma vida missional requer tirarmos os olhos dos resultados, tirar o coração dos resultados e colocar o coração no Senhor. É experimentar ser exercitado na dependência a um Deus que nos provém tudo o que é necessário para viver a sua vontade hoje.

Ser direcionado para uma vida missional requer vencer o engano de que sozinhos somos capazes de fazer qualquer coisa, pelo contrário, começamos a ver o quão dependentes necessitamos ser para cumprir os propósitos de Deus. Dependência esta que nos conduz a independente de circunstâncias, voltar os olhos para a eternidade.

“É por isso que confiamos naquEle que nos mantém caminhando, mesmo que não o vejamos” (2 Coríntios 5.7 A Mensagem)

O compromisso não deve ser o de perguntar-se repetidas vezes sobre qual é a vontade de Deus pra nossa vida, mas se entregar em viver a partir daquilo que já conhecemos. Confiar naquEle que nos mantém caminhando (no hoje), mesmo que não o vejamos.

O que amanhã viveremos com Deus depende de um hoje entregue a Ele.

Que Ele nos abençoe.


Minhas orações de hoje apontam pra vontade de Deus? Ou temo depender do Eterno?

“Senhor, queremos a tua vontade. Mais de Ti e menos de nós!”