Que seja constatado em nós o amor que vem do céu

Que seja constatado em nós o amor de Cristo. Não com palavras, não com o discurso que “Deus ama a cada um”, sequer com canções e textões a respeito. Mas como vívida experiência, como identidade.

Jesus disse aos seus discípulos que o amor dEle operando em nós levaria outros a reconhecerem a Deus Pai.

“Um novo mandamento dou a vocês: Amem-se uns aos outros. Como eu os amei, vocês devem amar-se uns aos outros. Com isso todos saberão que vocês são meus discípulos, se vocês se amarem uns aos outros”. João 13:34‭-‬35 NVI

Em Atos, vemos Pedro e João sendo identificados pela sua atitude como verdadeiros discípulos de Cristo. (Atos 4.13)

Na Carta aos Filipenses, Paulo convoca a atitude de “viver sem queixas ou discussões para que venham a tornar-se puros e irrepreensíveis, filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração corrompida e depravada, na qual vocês brilham como estrelas do universo, retendo firmemente a palavra da vida”. (Filipenses 2. 14-16)

Ser como Jesus é andar como Ele andou (anda). É amar como Ele amou (ama). É amar quem Ele amou (ama). É perdoar a quem Ele perdoou (perdoa).

Tenham em vocês a mesma atitude que houve em Cristo Jesus . (Filipenses 2.5)

O mundo pergunta: onde está o amor de Cristo?

Que sejamos a resposta. Porém…

Porém, o mundo aguarda e clama por um amor que não é o amor bíblico.

O mundo dita um amor em que tudo é aceito. Mas onde tudo é aceito não há amor. O mundo dita um amor que recebe, abraça e acolhe todo tipo de manifestação ou conduta. E não foi esse amor proclamado por Jesus.

Jesus não deseja que você seja feliz fazendo o que você bem entender. Ponto final.

O amor de Jesus não diz respeito apenas sobre aceitação, mas no amor dEle há também a autoridade que transforma.

Se eu realmente amo a Jesus o meu desejo será o de ser transformado para ser como Ele quer entendendo que a vontade de Deus é a melhor.

O amor que o mundo deseja não tem tido a ver com filhos vivendo o que Deus quer, onde Ele for da Sua vontade e da maneira que Ele planejou. O que o mundo tem desejado diz muito mais respeito a viver a própria vontade e alimentar as próprias expectativas e êxtases do que qualquer outra coisa.

Muito se fala sobre multiplicar o amor de Deus (ou dividir), sobre manifestar o amor, viver o amor e trezentas mil outras expressões repetindo que os cristãos são chamados a amar. Porém devemos amar não com esse tipo de amor deturpado e não-bíblico que é absurdamente ecoado.

É o amor de Cristo que devemos ansiar viver e esse amor não é simples aceitação.

O AMOR DE CRISTO NÃO É APENAS SOBRE SER ACEITO. É SOBRE SER TRANSFORMADO PARA SER COMO ELE É, É SOBRE OPERAR CONFORME A VONTADE DE DEUS E BUSCÁ-LA.

O que tem acontecido hoje é que milhões de pessoas tem dito que amam a Cristo sem buscar viver o que Ele deseja. Eu também faço parte disso tantas e tantas vezes.

Certa vez, uma Jesus disse às multidões que o acompanhava:

“Venham a mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e eu darei descanso a vocês. (Mateus 11.28)

É. Em Jesus há aceitação. Não somos nós que “aceitamos” a Ele. Aliás não temos força ou cacife pra isso. É a Graça dEle que faz em nós muito mais do que ousaríamos imaginar e é ela que nos conduz à uma nova vida.

Logo em seguida a aceitação Jesus completa:

Tomem sobre vocês o meu jugo e aprendam de mim, pois sou manso e humilde de coração, e vocês encontrarão descanso para as suas almas. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.
(Mateus 11:29-‬30)

O amor de Cristo é sobre tomar o jugo dEle. Sobre andar com Ele. Sobre andar como Ele andou. E assim como Jesus esteve submisso à vontade de Deus, em reverente submissão, é nesse lugar que o amor dEle deseja conduzir-nos.

É tomando o jugo e aprendendo dEle que somos transformados.

O amor dEle não é sobre ser aceito. É sobre ser transformado. É sobre entregar-se a vontade de Deus .