Resenha: Hitchcock, de Sasha Gervasi.

Antony Hopkins atua genialmente nos revelando um pouco a intimidade do cineasta.

Alfred Hitchcock, então com 60 anos decide se arriscar a realizar um filme de terror, gênero incomum para a época, para o diretor e para o estúdio Paramount. Este filme é baseado em um livro de 1959, o suspense que leva o mesmo nome, Psicose(Psycho).
Junto com sua esposa, enfrenta todos os obstáculos de financiamento, produção e distribuição do filme que foi o ponto alto de sua carreira. O elenco deste filme é incrível. Hellen Mirren protagoniza Alma Reville, companheira e braço direito de Hitchcock, Scarlett Johanson é Janet Leigh e James D’arcy, de Cloud Atlas, faz o papel do ator Antony Perkins que em Psicose é Norman Bates. Antony Hopkins, por si, vale o filme todo. A maquiagem feita pelo ótimo Greg Nicotero(Bastardos Inglórios, O espetacular homem aranha 2, The Walking Dead) faz em certos momentos você esquecer quem é o ator que está por trás da maquiagem, e a interpretação de Hopkins acima de tudo envolve em características muito prováveis do mestre do suspense. Danny Elfman, faz uma trilha sonora que casa muito bem com as variações de comédia e suspense e drama que o filme apresenta. Filme para a família toda assistir.

O filme é uma adaptação do livro “Hitchcock and the making of Psycho“.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.