A educação e os afetos que me trouxeram até aqui

Visitando o Colégio Estadual Chico Anysio, referência em educação pública no Brasil.

Todos os dias eu reflito sobre os atravessamentos da vida que me fizeram conhecer o mundo para além da periferia que eu fui criado.

Reconheço cada afeto que me gerou uma oportunidade e cada alma que me abriu portas para experiências e experimentações de sentidos novos.

Porém, sem sombra de dúvidas, a força que mais me colocou em pé de igualdade para disputar os espaços de privilégios que não me foram destinados por herança foi a Educação.

Ter tido um incentivo familiar para o estudo e uma mãe Pedagoga como inspiração me ajuda a romper com qualquer barreira de inferiorização que eu pudesse vir a ter por conta da minha origem, e ampliou minha crença no poder transformador da escola e do aprendizado.

O Brasil tem inúmeros desafios nesse campo e hoje uso minha força de trabalho no QEdu e meus afetos construídos para contribuir na missão de melhorar a educação pública brasileira e permitir que mais jovens como eu possam ter o direito de sonhar e forjar seus próprios futuros para além de qualquer barreira.

Neste canal vou voltar a escrever para relatar minhas vivências e, na melhor das hipóteses, inspirar você a também se engajar em educação.

Não é preciso largar tudo e viver em função disso —por bem menos você já consegue gerar impacto positivo na vida de outras pessoas, principalmente os mais jovens. E isso já é educação.

Você pode ajudar uma escola pública perto da sua casa/trabalho, se voluntariando para um dia conversar com os professores e alunos, entender o que eles mais precisam; trocar uma ideia, estar mais próximo da realidade. A partir daí que surgem as principais e mais revolucionárias ideias: quando você está conectado com quem realmente está fazendo milagres na educação, e eles podem estar bem do seu lado.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.