900 haitianos, quem liga?

A freada é brusca e a borracha mancha o asfalto liberando cheiro de um atrito não esperado. Para tudo! Onde estamos errando? Que caminho é este que escolhemos? Hoje, a última esperança para restabelecer o controle e voltar ao domínio, mas acabamos desistindo antes mesmo de tentar.

Vamos contornando as esquinas e acendendo luzes em becos escuros, agarrando-nos a boas histórias com a esperança de que continuemos longe da catástrofe. Que possamos esquecer o mundo-cão que avança sobre nós e que nos livremos daquela parte que questiona, que nos envergonha, que nos desdiz, que nos coloca como parte dessa humanidade torpe, isolada, que age de má fé ou que se omite quando é conveniente.

Você acostuma a não se colocar na equação. Jamais poderia ser com você até o dia em que acontece com você. Desvia-se das sujeitas, esfrega-se bem os pés no capacho; lava-se as mãos, mas as impurezas da vida são como aqueles 0,1 % que nenhum bactericida é capaz de eliminar.

O mundo nos engole sem preparo ou cuidado. É um tsunami, um furação ou um terremoto de descaso, indiferença e insensibilidade. É “normal”, o que é pura dor e destruição. A farsa da repetição em olhos preparados para a desgraça. Já não tinham casa, comida, sonhos… “De novo”; “daquela vez foi pior” nesta forma estranhamente louca de somarmos números, que são corpos, que eram vidas e que tinham esperança. 900 haitianos, quem liga?