A Donzela do Frio

Os ventos descendo a colina no fim do verão,

Os gracejos da bela donzela do frio dançando,

Algo mágico atraindo a atenção de tudo,

Uma mágica fria com uma doce beleza,

Apaixonando qualquer observador distraído em seu caminho.

Brilhos de gelo e neve espalhada sobre as gramas,

Seu vestido branco e azul, voando aos giros,

A fada das neves trazendo a beleza vinda das montanhas frias,

Do lago cristalino ao rio congelado, da brisa fria ao floco de neve.

Seus olhos azuis como o cristal de gelo nunca tocado

Em a profundidade do seu olhar o frio do inverno,

Em seus cabelos negros com brilhos de cristais

A beleza da profunda noite estrelada.

Dançava e pulava, corria em sua brisa brilhante e gelada,

Seu rastro branco deixado na colina verde,

A geada brilhado a sua volta.

O viajante caminha sem saber, o calafrio repentino,

Em direção a donzela ele vai, como qualquer um que a contempla,

A fada segue seu caminho ao bosque, na dança levita,

A bela amante do frio, apaixona a todos onde passa,

No sol ela cruza anunciando a proximidade do inverno.

Mas como um vento repetindo ela vai,

Deixando os corações apaixonados lembrando a cada sonho,

O viajante segue o bosque em busca de sua donzela,

Seus olhos com medo de fechar à perde-la vista,

Correndo com a neve eu seu rosto a escura mata.

Ventos e ventos de todos os lados o fazem perder o caminho,

Floresta fria e floresta escura a sua volta, frio e gelo,

Então nosso viajante corre a primeira clareira,

Uma árvore velha em seu meio, um tronco grosso,

Sentando a sua frente sem forças e com a tristeza a lhe cair.

Em seus sonhos olhos azuis o observam,

Ventos o circulavam, o frio vestido de branco e azul.

Logo o viajante acordava, e em sua frente

Os olhos azuis e profundos da donzela do frio,

Ela com um leve toque com seus dedos no rosto do viajante,

O faz lembrar para sua vida inteira sobre a beleza do inverno,

E o guia fora da floresta gelada a seguir seu caminho,

Pois ela também segue sua jornada de fim de verão,

Dançando o inverno chegando, congelando e desenhando

Cristais a sua volta, sob os rios e montanhas.

E raramente é avistava e sua magia encanta novamente,

Ela logo trata de guiar a pessoa fora de seu encanto,

Ela dança e canta, traz a ama o frio, e no fim do frio

Para voltar a seu trono de gelo ao pico mais elevado,

Lá onde sempre neva, lá onde a magia existe,

Lá onde tudo é possível…

Para aqueles que acreditam em sua fantasia do frio.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.