Cara, tu nem parou pra considerar o que escrevi.
Felipe Pepe
11

Um ponto pela parte do mega Drive. Falta todo o resto

E assim como você diz que eu “joguei a culpa” (ênfase nas aspas) no público e nos devs, você jogou toda culpa nos criadores de conteúdo.

Tem coisa que tu pede que ignora o fato que hoje as publicações estão mais focadas. Nos anos 90, se você quisesse saber sobre games, comprava uma revista, e se quisesse saber sobre como montar um pc, comprava outra. Muitas vezes levava a revista inteira por causa de UM jogo ou UMA dica.

Hoje você tem conteúdo segmentado por artigos, e nem sempre espalhado em milhares de lugares, mas multiplicados: Quer saber sobre como montar o PC? Clube do Hardware quer saber sobre traduções não oficiais de games no brasil? Gamevício, tribogamer, etc. Boa parte permite assinatura de boletim de notícias de uma forma ou de outra, e cai ainda na primeira página do google.

Então, nesse ponto, a mudança acompanhou os tempos até na estrutura das publicações: Quem quer saber sobre os games em si, vai na Kotaku. Quer saber sobre hardware, Gizmodo, e ambos estão sob o guardachuva da Gawker media (que fez bastante besteira e pagou por isso recentemente, mas isso é outra história).

Incentivar “descoberta” num mundo onde você pode selecionar exatamente o que quer com precisão cirúrgica e ignorar todo o resto exige mais cuidado.

Também não sei se é errado que coisas como mods, patches, montagem de pcs, romhacks, traduções, emulação, etc. não estejam na cara das publicações de “hard news”. É triste que não existam tantos portais locais para cada assunto, mas são assuntos específicos e que, talvez até numa análise de retorno de investimento, as publicações grandes achem que não vale o risco ou o custo de pagar alguém só para falar disso. Mais ainda: alguém que vai competir com os meios que já preencheram essa lacuna de mercado (que você mesmo citou: fórum, streamers, youtubers, etc.)

a PCGamer americana às vezes tenta fazer matérias com os “10 melhores mods” de algum jogo, mas isso fica defasado MUITO rápido ou só é oportuno no aniversário de um game velho. Um mesmo cara focado só nisso e mais nada consegue fazer dezenas de vídeos só sobre mods bons de fallout ou skyrim por meses, bem depois dos patrocinadoers largarem esse osso.

Outra coisa que seria “boa” para o público mas tende a acabar em desastre são “port reports”. Como cada máquina é única e cada game interage com certo hardware de maneira específica (AMD Vulkan, Cuda cores, etc.), o resultado nunca é consistente e cria mais ódio que ternura. Totalbiscuit, que fazia muito disso jogou a toalha e disse que só vai reportar quais opções o jogo disponibiliza.

Sobre a questão de público acomodado, que você levantou, não tem nada que possa ser feito sobre isso: você não pode socar goela abaixo essas coisas. Quem quer clicar numa matéria diferente vai clicar e quem não quer não vai. Ganham publicações de nicho (como o finado Gagá games ou o passagem secreta).

Vamos então de novo: MUITA coisa no “jornalismo de gueimes” precisa ser mudada. O meio no geral é uma cabala incestuosa e muita publicação vive de tomar decisões preguiçosas e acomadadas. E você levantou essa discussão, Parabéns por isso.

Dito isso, você traz reclamações, mas poucas idéias para soluções.

Salpicar o enlatado cotidiano com algumas curiosidades? exigir alguma matéria investigativa? Beleza! eu e você gostaríamos disso. Mas será que o público amplo e os patrocinadores vão abraçar essa idéia? Será que, em algum momento, foram feitas tentativas com conteúdo mais ousado e diverso e o número de acessos ou os contratos de publicidade não agradaram os engravatados? (não esqueça: publicações grandes não possuem nenhum fim virtuoso: estão lá para fazer dinheiro e ninguém vai aceitar trabalhar no prejuízo para mostrar o que ama)

E ainda existem outras questões menores as quais você podia também responder, ir até o final com as sugestões: formato, foco, frequência ou proporção em comparação ao conteúdo normal, etc.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.