Bem vindo à Democracia 2.0

Ou, como eu gosto de chamar, The Dawn Of Neodemocracy

Essa coisa boba chamada democracia, esse sistema cheio de falhas de segurança, mas que ainda é o melhor sistema que a racionalidade humana pode inventar para governar melhor, está evoluindo. Não no sentido de melhorar; apenas no sentido de estar mudando.

Antes, democracia era o que podemos chamar rudemente de o governo da maioria. O povo vota e quem tiver mais votos ganha. A vontade da maioria númerica era imposto sobre a minoria e a gente vinha vindo relativamente bem até então.

Só que ou a democracia ocidental está em ruínas ou estamos nos esquecendo como ela funciona de verdade (se é que, de fato, algum dia funcionou). Dois anos atrás, Dilma ganhou as eleições presidenciais por uma margem bem pequena de votos (menor ainda se considerarmos que vinha de um governo, até aquele momento, aparentemente bem sucedido ). Mas ganhou, o que, num mundo menos imperfeito, encerraria o assunto. Não foi esse o caso. Demorou muito até que a minoria perdedora (ok, nem tão minoria assim) aceitasse que perdeu de forma justa (ok, falar em “forma justa” em política pode ser pedir demais). Dilma foi afastada do cargo muito por causa daquela eleição vencida a custo de promessas não cumpridas. Mas, enganada ou não, a maioria votou nela.

Aí temos o Brexit. Depois de muita comoção e até um assassinato, o Reino Unido votou por se retirar da UE. Por quê? E isso importa? O que importa é que votou. Talvez enganado por campanhas políticas alarmistas, um pouco de paranoia e medo, um pouco de nacionalismo exarcebado. Os motivos podem ser todos errados, mas o que importa é que foi votado em plebicito de forma legítima. Para o bem ou para o mal, o resultado foi o “Leave”.

Eis que “Moradores de Londres protestam contra saída do Reino Unido da UE” e “Mais de 1 milhão no Reino Unido pedem novo referendo sobre UE”. Mas veja bem, meu bem, isso já não foi votado? Isso já não foi decidido? Será que é assim que devemos tocar a democracia? Se o meu lado não ganhou, petelharei a sociedade até que eu vença?

Entendo que, hoje em dia, a minoria é a nova maioria. Não oficialmente, óbvio, mas é assim que as engrenagens da sociedade ocidental vem rodando. Faça um piquete ou um protesto ou uma manifestação, feche as ruas, crie um abaixo-assinado no Avaaz e, de repente, você ganha superpoderes que sobrepujam a democracia oficial. É um novo tipo de sistema de governo. Proponha a votação, e se você perder, proponha a votação de novo, e de novo, e de novo, até que você vença.

A democracia já não exatamente um sistema célere, imagine como ficará com cada ponto de vista brigando para ser vencedor à cada derrota

Like what you read? Give Igo Araujo Santos a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.