Concreto

Tem dias que a gente acorda se sentindo mais pesado que concreto. E como se não bastasse esse peso, a gente sente que tem de ser mais forte que concreto, afinal as responsabilidades diárias já começaram a desmoronar pela manhã e a única vontade é a de ficar na cama mesmo.

Muito se diz, muito se pensa, muito se escreve (e se lê) que nós construímos nossos dias, que ter um bom dia ou não só depende de nós. Verdade. Mas pra mim isso representa, muitas das vezes, grande parte dos tijolos que já começam a desmoronar pela manhã. Afinal, pelo que me parece, a gente não tem nem mais direito de ter um dia ruim.

Pra mim, esses dias são sempre marcados por querer ver a hora passar, por algum acontecimento que aumenta minha ansiedade, ou pela dúvida após dias de muita reflexão sobre algo que aconteceu ou tem acontecido. Incerteza, eu odeio ela. No entanto, como a única certeza da vida é a morte, aprender a lidar é o melhor remédio, e a gente tenta, as vezes consegue, as vezes não.

Pra esses dias ruins, existem muitos remédios e cada pessoa tem o seu. Pra mim, num primeiro momento é o isolamento. Não quero pessoas ao meu redor, afinal se nem eu tô me aguentando, imagina ter que aguentar outros seres humanos, e o pior… LIDAR COM ELES.

Depois eu procuro calmaria e conforto. Aquele abraço forte e o carinho de gente querida e que a gente quer por perto muda tudo pra mim. Me acalma, me deixa manso e é como se toda a irritação do dia fosse tirada com a mão. Segurança.

Nesses dias que a gente já acorda desgraçado da cabeça, não há nada melhor do que a segurança de ter algum lugar pra se confortar. Muitos dizem que nós deveríamos ser nosso próprio forte, nosso próprio ponto de conforto. Ainda assim, não tenho vergonha de assumir, detesto a solidão e o importante é saber que eu nunca vou estar sozinho.

É por isso que escrevo, para que aqueles em que algum momento acharam que estavam sozinhos encontrem aqui pelo menos um pouco de conforto, e saibam que não estão. Que os tijolos vão desmoronar, todos os dias, sobre todos nós, mas estaremos todos nós aqui.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.